Em Genebra, Lula critica Bolsonaro: ‘Brasil não merece uma coisa grotesta governando’

Ex-presidente expressou ‘solidariedade’ ao regime do ditador venezuelano Nicolás Maduro

  • Por Jovem Pan
  • 07/03/2020 08h21 - Atualizado em 07/03/2020 08h22
REUTERS/Amanda PerobelliA uma plateia formada por pessoas ligadas a movimentos sindicais, Lula afirmou ser importante alguém que preze pela soberania nacional

Em viagem à Europa, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou a criticar o presidente Jair Bolsonaro nesta sexta-feira (7). Durante um debate em Genebra, na Suíça, o petista pontuou que o Brasil “merece alguém que goste de democracia, de negro, de mulher, de LGBT e do meio ambiente”.

A uma plateia formada por pessoas ligadas a movimentos sindicais, Lula afirmou ser importante alguém que preze pela soberania nacional. “Alguém que não queira vender a Petrobras, o Banco do Brasil, a Caixa Econômica Federal, o BNDES, alguém que não queira acabar com a estabilidade do servidor público.”

Lula também subiu o tom contra o presidente Jair Bolsonaro. “Porque o Brasil não merece uma coisa ‘grotesca’ como o Bolsonaro governando o nosso país”, disse.

O ex-presidente expressou “solidariedade” ao regime do ditador venezuelano Nicolás Maduro, afirmou que pretende continuar viajando e que quer estar em Cuba no dia primeiro de maio.

Lula declarou ainda que espera anunciar nos próximos dias seu casamento com a socióloga Rosângela Silva.

Em Genebra, o petista visitou John Shipton, pai do fundador site WikiLeaks, Julian Assange. Depois do encontro, Lula disse que “a humanidade deveria exigir a liberdade de Assange, que, segundo ele, ao invés de preso, deveria ser tratado como um herói”.

O fundador do WikiLeaks está detido em Londres desde abril do ano passado e pode ser extraditado para os Estados Unidos por vazar mensagens secretas do governo norte-americano.

* Com informações do repórter Afonso Marangoni