Lula tenta sair da cadeia para ir ao funeral de Sigmaringa Seixas, mas pedido é negado pela Justiça

  • Por Jovem Pan
  • 26/12/2018 06h50 - Atualizado em 26/12/2018 08h20
Reprodução/Ricardo Stuckert/Twitter PT Sigmaringa Seixas era amigo de Lula e contava, inclusive, com uma procuração para defender o ex-presidente na Justiça, caso fosse necessário

A Justiça Federal do Paraná negou um pedido feito pela defesa de Lula, para que o ex-presidente fosse autorizado a deixar a prisão para assistir ao enterro de Luís Carlos Sigmaringa Seixas.

Advogado e ex-deputado federal, Sigmaringa morreu nesta terça-feira (25), em São Paulo, aos 74 anos. Ele estava internado no Hospital Sírio-Libanês e chegou a passar por um transplante de medula nos últimos dias, mas não resistiu.

Sigmaringa Seixas foi eleito deputado federal pelo PMDB em 1987 e conseguiu um novo mandato em 1991, desta vez pelo PSDB. Depois, filiado ao PT, voltou à Câmara em 2003.

Ele era amigo de Lula e contava, inclusive, com uma procuração para defender o ex-presidente na Justiça, caso fosse necessário.

Logo após a confirmação da morte, a defesa de Lula protocolou o pedido para que o petista comparecesse ao funeral, que acontece nesta quarta-feira (26) em Brasília. Na solicitação, o advogado Manoel Caetano Ferreira Filho escreveu que “a amizade entre o requerente e o falecido era notória, sendo que ambos foram deputados na Assembleia Constituinte, mantendo, na sequência, estreito relacionamento pessoal”.

Mas o juiz plantonista Vicente de Paula Ataíde Júnior negou a solicitação, dizendo que a proximidade alegada pela defesa não é suficiente. Segundo ele, a saída só é autorizada a condenados em regime fechado em caso de “falecimento ou doença grave do cônjuge, companheira, ascendente, descendente ou irmão”.

Nesse feriado, Lula também divulgou uma “carta de Natal” aos apoiadores, que foi lida, em frente ao prédio da Polícia Federal, por Luiz Marinho, ex-prefeito de São Bernardo de Campo e candidato derrotado na última eleição ao governo de São Paulo.

Este foi o primeiro Natal de Lula na prisão. Segundo a Polícia Federal, na noite do dia 24, não houve ceia especial. O jantar foi o mesmo de todos os dias: com arroz, feijão, salada e carne.

*Informações do repórter Vitor Brown