Luz na Infância: Megaoperação contra pornografia infantil prende mais de 130 pessoas em todo o país

  • Por Jovem Pan
  • 29/03/2019 08h31 - Atualizado em 29/03/2019 10h20
Flickr/powtacA Operação Luz na Infância apura casos de abuso e exploração sexual contra crianças e adolescentes praticados na internet. Só em São Paulo foram realizadas 60 prisões

Pelo menos 137 pessoas foram presas em uma megaoperação que apura crimes relacionados a pornografia infantil. Mais de 1,5 mil policiais civis de todos os estados saíram às ruas na quinta-feira para cumprir 266 mandados de busca e apreensão.

Os agentes recolheram pendrives, celulares, computadores, câmeras fotográficas e equipamentos relacionados.

A Operação Luz na Infância apura casos de abuso e exploração sexual contra crianças e adolescentes praticados na internet. Só em São Paulo foram realizadas 60 prisões.

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, informou que a operação é resultado de uma ação conjunta da Pasta com as Polícias Civis dos Estados.

A Operação Luz na Infância investiga crimes de armazenamento, compartilhamento e produção de pornografia infantil. O coordenador do laboratório de inteligência cibernética da Secretaria de Operações Integradas do Ministério da Justiça explicou que essa é a primeira grande operação contra crimes ligados à pedofilia. Alessandro Barreto ressaltou que o trabalho preventivo é essencial para evitar delitos dessa natureza.

Esta é a quarta fase da Operação Luz na Infância. Na primeira, deflagrada em outubro de 2017, 108 pessoas foram detidas. Na segunda, em maio de 2018, os 579 mandados de buscas levaram a prisão de 251 pessoas. E na terceira, em novembro do ano passado,46 pessoas foram detidas.

A pena para quem armazena arquivos com pornografia infantil varia de um a quatro anos de prisão. Quem compartilha pode pegar de três a seis anos. E quem produz os conteúdos relacionados a exploração sexual pode ficar preso entre quatro e oito anos.

*Informações da repórter Marcella Lourenzetto