Maduro impede ajuda humanitária e casas de câmbio voltam a ter filas na Venezuela

  • Por Jovem Pan
  • 07/02/2019 06h59 - Atualizado em 07/02/2019 10h03
EFEMilitares venezuelanos bloqueiam ponte na fronteira com a Colômbia para evitar chegada de ajuda humanitária

Após militares leais a Nicolás Maduro bloquearem nesta quarta-feira (06) a chegada de alimentos e remédios à Venezuela, o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, exigiu que os chavistas liberem ajuda humanitária.

Pelo Twitter, o chefe da diplomacia dos Estados Unidos postou uma foto mostrando o bloqueio que foi feito em uma ponte na fronteira com a Colômbia. Na postagem, Mike Pompeo afirma que “o povo venezuelana precisa desesperadamente de ajuda humanitária e que os Estados Unidos e outros países estão tentando ajudar”.

Em resposta, Juan Guaidó, que já é reconhecido como presidente interino da Venezuela por mais de 40 países, disse que barrar ajuda humanitária é uma decisão “absurda”.

A situação na Venezuela é tão crítica que filas estão voltando a se formar nas casas de câmbio no país. Isso porque o câmbio oficial, que é controlado pelo regime de Maduro, está mais atraente para a população do que o preço praticado no mercado negro.

A venezuelana Marina Suniga explicou que está recorrendo as casas de câmbio autorizadas porque, mesmo não tendo muita confiança no governo, ela não quer perder dinheiro.

O regime chavista está afrouxando o controle do câmbio numa tentativa de captar mais dinheiro para manter o funcionamento da máquina estatal.

Na semana passada o governo Donald Trump, impôs sanções à estatal petroleira venezuelana PDVSA, que é uma fonte crucial de rendimentos para o país. A medida dos Estados Unidos é uma tentativa de fortalecer a oposição venezuelana, retirando as fontes de renda do regime de Maduro.

*Informações do repórter Afonso Marangoni