Maia adota tom diplomático sobre nova derrota de Lula; líderes da base aliada comemoram

  • Por Jovem Pan
  • 07/03/2018 06h25
Antonio Cruz/Agência Brasil"Não é momento de comemoração para a oposição ao PT, é momento de reflexão, de diálogo. É um momento de tristeza da política brasileira”, disse Maia

A derrota sofrida pelo ex-presidente Lula no Superior Tribunal de Justiça que negou seu pedido de habeas corpus preventivo, teve rápida repercussão no Congresso. Um dos que se manifestou foi o presidente da Câmara Rodrigo Maia, que falou já em tom de pré-candidato ao Palácio do Planalto.

Maia evitou comentar sobre possíveis feitos da situação de Lula sobre a candidatura dele. Mas disse, em tom diplomático, que o momento é de reflexão: “não trato isso como derrota do ex-presidente Lula. Não é momento de comemoração para a oposição ao PT, é momento de reflexão, de diálogo. É um momento de tristeza da política brasileira”.

Líderes de partidos da base comemoraram a decisão. O líder do PPS na Câmara, deputado Alex Manente, disse que o resultado mostra que a justiça é cumprida a todos.

O líder do DEM, deputado Rodrigo Garcia, destacou o atual entendimento do Supremo Tribunal Federal sobre prisão em segunda instância: “a decisão hoje foi acertada, respeita a lei, STF tem entendimento em vigor da prisão em segunda instância”.

Já a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, defendeu que um condenado só seja preso após julgamento em todas as instâncias.

Para o deputado petista Wadih Damous, o resultado já era esperado: “o que está em jogo é o princípio da presunção de inocência. O que aconteceu hoje não foi inesperado. A última palavra é do Supremo”.

O PT cobra que a presidente do Supremo, ministra Cármen Lúcia, paute a votação que pode revisar o entendimento da Corte sobre prisão após condenação em segunda instância.

*Informações do repórter Levy Guimarães