Manifestantes voltam às ruas no Equador contra aumento de até 123% no preço dos combustíveis

O presidente do Equador, Lenín Moreno, decretou estado de exceção nesta quinta-feira (3)

  • Por Jovem Pan
  • 05/10/2019 10h11
EFE/ José JácomeO Equador teve mais um dia de protestos

Policiais e manifestantes voltaram a se enfrentar nesta sexta-feira (4), no Equador, em mais um dia de manifestações contra a alta nos preços dos combustíveis.

Pelo menos 350 pessoas foram detidas e 28 policiais ficaram feridos um dia depois que o presidente Lenín Moreno declarou “estado de exceção” .

Representantes do setor de transportes deram início a protestos e paralisações contra a retirada de subsídios aos combustíveis. Com o fim dos benefícios, os produtos tiveram alta de até 123%. Moreno disse que está aberto ao diálogo, mas reafirmou que não vai voltar atrás na decisão.

A retirada dos subsídios ao setor de combustíveis deve ampliar em US$ 1,5 bilhão a arrecadação de impostos no país. A meta do governo equatoriano é reduzir em mais de um terço o déficit público para viabilizar um empréstimo junto ao Fundo Monetário Internacional.

O acordo assinado em março prevê o repasse de US$ 4,2 bilhões ao Equador.