Marcas de moda francesas deixarão de contratar modelos excessivamente magros

  • Por Jovem Pan
  • 07/09/2017 10h18

Modelos durante desfile de Andrés Sardá

O estatuto entrará em vigor antes da Fashion Week de Paris, neste mês

Há uma semana de um dos desfiles mais esperados do mundo, o Fashion Week de Paris, uma notícia pode revolucionar o mercado da moda. Duas empresas que são donas das maiores marcas de desfile do mundo, como Louis Vuitton, Gucci e Christian Dior assinaram um estatuto para o bem-estar dos modelos.

Eles anunciaram que não vão mais contratar profissionais excessivamente magros para as passarelas, com silhueta abaixo do número 36 para as mulheres e 46 para os homens.

A professora de Moda da Faap, Andressa Nobrega, disse que a medida das marcas é importante para preserva a saúde das modelos e dos modelos: “medida que faz tempo que estão tentando emplacar. É importante frisar que isso é importante para lutar contra métodos violentos contra a saúde”.

Ela ressaltou ainda que o corpo das modelos, muito magro, não representa a realidade da maioria das mulheres: “existem vários tipos de corpos e biótipos. Se você coloca sempre o mesmo, você distancia muito do que as pessoas estão convivendo”.

Para a professora de Moda, a posição das marcas francesas será seguida por outros mercados mundiais da moda.

Em 2015, a França aprovou uma legislação proibindo que modelos excessivamente magras trabalhem na indústria da moda no país. Agências de moda enfrentam multas de até 75 mil euros ou prisão de até seis meses se infringirem a lei.

O estatuto entrará em vigor antes da Fashion Week de Paris, neste mês.

*Informações do repórter Victor Moraes