Marinha conclui primeira etapa de operação para conter óleo no litoral

  • Por Jovem Pan
  • 30/11/2019 08h45 - Atualizado em 30/11/2019 08h50
REUTERS / Diego NigroVista geral de um derramamento de óleo na praia de Peroba em Maragogi, estado de Alagoas.

Mais de quatro mil e setecentas toneladas de petróleo cru já foram recolhidas do litoral brasileiro desde o início da crise causada pelo derramamento do material, que já dura três meses.

A tragédia atingiu todo o Nordeste e chegou ao Espírito Santo e ao litoral norte do Rio de Janeiro. Porém, de acordo com o Grupo de Acompanhamento e Avaliação, formado por Marinha, Ibama e Agência Nacional de Petróleo, a pior fase já passou. Nas praias fluminenses, por exemplo, foram encontrados, ao todo, trezentos e vinte gramas do óleo.

O almirante da Marinha Marcelo Francisco Campos afirma que a quantidade que tem aparecido é cada vez menor.

A Marinha segue com a investigação, ainda não concluída, para descobrir a origem do derramamento de óleo e os responsáveis pela tragédia ambiental. Já foi descartada a possibilidade de um desastre natural, como rachaduras ou fissuras geológicas no oceano.

Apesar do volume pequeno de manchas encontradas nas últimas semanas, o governo não descarta que ele volte a aumentar. No próximo dias vinte, a Marinha dá início à segunda fase da Operação Amazônia Azul, que trata do caso. O foco é em ações de manutenção e controle, mas as equipes do Rio de Janeiro devem seguir em alerta para eventuais emergências.

*Com reportagem de Levy Guimarães