Marun diz que Temer ficou indignado e abalado com indiciamento em inquérito

  • Por Jovem Pan
  • 18/10/2018 08h06
Valter Campanto/Agência BrasilMarun disse ainda que o presidente está muito abalado por conta principalmente do indiciamento da filha Maristela

O presidente Michel Temer ficou indignado com o relatório da Polícia Federal que pediu o indiciamento dele por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Outras 10 pessoas, também foram indiciadas, entre elas a filha de Temer.

Segundo o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, o Planalto está confiante e não trabalha com a possibilidade de a Procuradoria-Geral da República, encaminhar ao Congresso Nacional a terceira denúncia contra o presidente.

Marun disse ainda que o presidente está muito abalado por conta principalmente do indiciamento da filha Maristela, que supostamente teve a reforma da casa paga com dinheiro de propina.

A investigação começou no ano passado e apura supostas irregularidades na edição de um decreto para o setor de portos. A suspeita é de que o decreto tenha favorecido empresas do setor.

A PF, no entanto, argumenta que a participação do presidente seria muito mais antiga. Que ele teria influência sobre o porto de Santos desde a década de 90. A defesa do presidente pediu ao Supremo Tribunal Federal que decrete a imediata nulidade do indiciamento.

O argumento é que a Polícia Federal teria usurpado competência do próprio tribunal ao pedir o indiciamento do presidente que tem o chamado foro privilegiado. A Procuradoria Geral da República tem agora 15 dias para se manifestar inclusive sobre o pedido de prisão de 4 pessoas e sobre o pedido de bloqueio dos bens dos investigados.

O ministro Roberto Barroso, que é relator desse inquérito dos portos, homologou a delação premiada do empresário José Antunes Sobrinho, sócio da empreiteira Engevix que teria sido subcontratada para atuar nas obras da Eletronuclear, e desviado recursos para o MDB, partido do presidente da República.

Na delação, Sobrinho cita também um repasse de pouco mais de R$ 1 milhão para o coronel João Baptista Lima Filho, amigo de Temer.

*Informações da repórter Luciana Verdolin