Massacre em escola de Suzano pode ter consequências psicológicas

  • Por Jovem Pan
  • 18/03/2019 06h40
Luiz Cláudio Barbosa/Estadão ConteúdoEscola foi cena de crime que deixou 10 mortos na semana passada

O massacre que deixou 10 mortos na Escola Estadual Professor Raul Brasil, em Suzano, na região metropolitana de São Paulo, pode trazer consequências psicológicas conhecidas como estresse pós-traumático.

O psicanalista da Fundação Escola de Sociologia e Política (Fesp), Sérgio Luiz Braghini, destaca quais são os problemas que as pessoas envolvidas nessa tragédia podem desenvolver. “Ansiedade, fobia, desesperança, ficar muito ligado e atendo a todo e qualquer movimento e qualquer barulho que possa haver na escola: esses são os efeitos imediatos.”

Para o psicoterapeuta Leo Fraiman, a tristeza, a raiva e o medo são naturais logo após uma tragédia, mas alguns sinais devem ser observados para que esses sentimentos não tragam consequências mais graves.

“Quando esses estados emocionais começam a se tornar mais presentes do que três ou quatro semanas, quando a criança começa a ter vontade de não sair de casa, com relatos de morte, sem comer, sem cuidados de higiene, é importante que um profissional faça acompanhamento também medicamentoso.”

Nesta segunda-feira (18), a escola Raul Brasil recebe apenas professores e funcionários. Serão desenvolvidas atividades como acolhimento, preparação e apoio psicológico. Na terça (19), a unidade será reaberta para pais, alunos e professores participarem de projetos pedagógicos na escola, com a ajuda de uma rede de apoio com instituições públicas e privadas.

Além do atendimento psicológico, a secretaria estadual da educação informou que os procedimentos de segurança em todas as 5,3 mil escolas serão revisados, e os colégios mais vulneráveis podem ainda receber um reforço policial. No dia do massacre, 13 de março, a prefeitura de Suzano decretou luto oficial de 3 dias. As aulas foram suspensas na rede municipal de ensino, assim como na rede estadual.

*Com informações da repórter Marcela Rahal