May diz que não haverá novo referendo sobre Brexit e nem atraso na saída do Reino Unido da UE

  • Por Ulisses Neto/Jovem Pan
  • 20/09/2018 09h24
Will Oliver/EFEA primeira-ministra britânica afirmou que se um entendimento não for alcançado até novembro, o país dela vai abandonar as negociações

Era para ter sido um encontro de conciliação e avanço nas negociações, mas terminou com ultimato e a sensação de que não haverá acordo. Tudo certo, nada resolvido entre Reino Unido e União Europeia depois do jantar na noite desta quarta-feira (19) com os líderes dos 28 países em Salzburgo, na Áustria.

Theresa May deixou a reunião sendo categórica: não haverá segundo referendo, muito menos atraso na data de separação.

Em 29 de março de 2019 o Reino Unido irá se desfiliar da União Europeia com ou sem acordo.

Aliás, a primeira-ministra britânica afirmou que se um entendimento não for alcançado até novembro, o país dela vai abandonar as negociações.

Nem mesmo as previsões de economistas sobre os cenários catastróficos de uma desfiliação sem acordo sensibilizaram os políticos.

Até agora não há nenhum entendimento sobre questões aduaneiras, trânsito de pessoas, jurisdições e comércio bilateral.

Se May firmou posição dizendo que não há plano B para o Brexit, ele irá mesmo ocorrer daqui a seis meses, os europeus insistem que a proposta apresentada pela Grã Bretanha ainda precisa de muita discussão.

Neste momento, o cenário que se desenha é o de divórcio no melhor estilo ‘vamos ver no que vai dar’. As negociações já se arrastam há um ano e meio sem nenhum avanço.

Do lado britânico, a acusação é de que França e Alemanha fazem jogo duro para tornar o Reino Unido como exemplo para o resto do bloco, evitando que outros países optem pela desfiliação no futuro.

Do lado europeu, o que se diz é que os britânicos querem ficar com todos os bônus e deixar de lado os ônus de ser integrante do bloco. O impasse continua e a única certeza por aqui hoje é que a terra irá continuar girando depois do Brexit.