May levará acordo do Brexit à votação, mais uma vez, em junho

O texto já foi derrotado três vezes pelo Parlamento

  • Por Ulisses Neto/Jovem Pan
  • 15/05/2019 09h47
EFEMay afirma que agora será a última vez que o Parlamento poderá decidir por uma saída negociada da União Europeia

O divórcio britânico da União Europeia voltou à pauta mais combalido e incerto do que nunca. Theresa May anunciou que irá levar o projeto de leis para o Brexit e o acordo dela com o bloco à votação mais uma vez no mês que vem.

O texto já foi derrotado três vezes pelo Parlamento e está sendo negociado neste momento entre conservadores e trabalhistas. Nada indica, no entanto, que haverá acordo entre os dois partidos – parece mais uma tentativa de fingir algum esforço e de se ganhar tempo.

May afirma que agora será a última vez que o Parlamento poderá decidir por uma saída negociada da União Europeia. Se o projeto dela não for aprovado, insiste a primeira-ministra, só vão restar duas alternativas: divórcio sem acordo ou revogação total do Brexit.

Ainda é precoce a avaliação de que estão armando para derrubar o Brexit no tapetão, mas é inegável que a alternativa tem sido cada vez mais comentada.

Conservadores e trabalhistas se comprometeram em seus programas de governo antes da eleição de 2017 a entregar o divórcio seguindo a decisão popular no ano anterior. Mas os riscos da separação e a falta de entendimento sobre questões cruciais, como a fronteira da Irlanda do Norte com a República da Irlanda têm se mostrado intransponíveis para os políticos britânicos.

No fim, ninguém parece ter intenção de entrar para a história como o responsável por concretizar um devaneio chancelado pelas urnas.

E meio que por inércia o país segue sua vida neste momento tentando empurrar o Brexit para debaixo do tapete.

Theresa May se segura mais manca do que nunca no poder e a expectativa agora é para as eleições europeias, que o Reino Unido terá que participar. Mas a própria líder de governo reconhece que a paciência da Europa acabou e que alguma decisão final deverá ser tomada nas próximas semanas – antes do prazo de desfiliação prorrogado para 31 de outubro.