Membro da KGB, opositor da Otan e presidente da Rússia: Conheça Vladimir Putin

Russo começou sua história em um periferia de São Petersburgo e chegou à frente de uma das maiores potências do mundo; atuação na Alemanha explica desconfiança com o Ocidente

  • Por Jovem Pan
  • 01/03/2022 10h45 - Atualizado em 01/03/2022 10h46
Ramil SITDIKOV / SPUTNIK / AFP O presidente da Rússia, Vladimir Putin, fazendo um pronunciamento Atual presidente russo começou na política como vice-prefeito de sua cidade natal

À frente de uma das maiores potências do mundo, Vladimir Putin, atual presidente da Rússia, nasceu na periferia de São Petersburgo, em 1952. Criado como filho único, ele estudou direito e após se formar, aos 24 anos, entrou para o treinamento da KGB, o serviço secreto russo, o que influencia sua visão sobre o Ocidente e pode explicar, nesse momento, as investidas contra a Ucrânia. O mestre em relações internacionais Valdir da Silva Bezerra, que é brasileiro e mora atualmente na Rússia, explica como a experiência de Putin formou uma percepção que vem sendo reafirmada nos últimos dias. “Existe um fato que ocorreu em torno da unificação alemã que povoa a mente de Putin, que foi quando o último mandatário soviético, Mikhail Gorbatchov, quando ele negociava com os líderes americanos sobre a unificação alemã, os ocidentais prometeram que a Otan [Organização do Tratado do Atlântico Norte] não iria avançar para o leste em nenhum centímetro e esse tipo de declaração é o que Putin vem repetindo há anos, dizendo que a Rússia foi enganada pelo Ocidente”, explica.

Após trabalhar na KGB, o atual presidente russo começou na política como vice-prefeito de sua cidade natal. No entanto, foi em Moscou, já no entorno de Boris Iéltsin, que sua carreira deslanchou, assumindo o cargo de primeiro-ministro em 1999 e depois como candidato ao Kremlin. Embora Iéltsin seja visto como um dos padrinhos de Putin, não é possível dizer que exista uma continuidade dos governos na política externa. Enquanto o mandato de Boris Iéltsin foi marcado por uma reaproximação com o Ocidente, especialmente com os Estados Unidos, Vladimir Putin segue questionando a unipolaridade norte-americana, assim como o avanço da Otan. E foi justamente a posição contrária à entrada da Ucrânia na aliança militar que levou ao início das sanções e, posteriormente, ao que Putin chama de “operação militar especial” no país vizinho, que já dura seis dias.

Valdir da Silva Bezerra explica que esse argumento para a invasão da Ucrânia é muito associado a Hitler por ambos falarem sobre a defesa da população. “Acaba trazendo um certo paralelo em relação ao que Putin e a política externa russa tem alegado: ‘existe uma população russa em outros Estados, mas enxergamos que essas populações estão tendo esses direitos mitigados pelo governo anfitrião e nós iremos proteger os seus direitos'”, explica Bezerra. “O mundo já conhece esse tipo de discurso e os resultados disso”, completou. 

Ao ser questionado se o perfil de Putin poderia influenciar os russos, o mestre em relações internacionais menciona que a percepção é que a população não apoia a guerra. “Não projetaria a possibilidade de novos pensamentos como de Putin nos russos em geral. Seria um exagero. Quem tem menos de 35 anos, sobretudo, não tem essa visão tão antagônica da América, não tem essa visão tão antagônica dos Estados Unidos. Existe uma aproximação com a cultura americana e não um distanciamento como se quer fazer pensar”, concluiu. No poder há mais de duas décadas, Putin poderá continuar no poder até 2036.