Memorial da Inclusão permite que deficientes visuais acompanhem jogos da Copa

  • Por Jovem Pan
  • 09/07/2018 07h25 - Atualizado em 09/07/2018 07h26
Jovem PanDesde o mundial no nosso país, há quatro anos, uma novidade ajuda e muito para que todos possam sentir a emoção de um jogo de futebol

O memorial da inclusão na Barra Funda, na zona oeste de São Paulo, proporcionou para os deficientes visuais e os surdos-cegos uma oportunidade para eles acompanharem os jogos do Brasil na Copa do Mundo da Rússia.

Desde o mundial no nosso país, há quatro anos, uma novidade ajuda e muito para que todos eles possam sentir a emoção de um jogo de futebol.

Isso acontece graças ao campo tátil, um campinho em miniatura que faz com que os intérpretes passem cada jogada para aqueles que não enxergam.

A deficiente visual Lara Souto Santana disse que a experiência de usar as mãos fez com que ela entendesse melhor as regras do jogo.

Intérprete há 18 anos, Vania de Aquino Alves se tornou guia-intérprete há quatro anos. Para ela, o mais importante é passar as emoções aos deficientes visuais em tempo real.

A guia-intérprete Talita Pereira Messias fala que apesar dela ser os olhos dos surdos-cegos, são eles que passam um ensinamento a cada dia.

Apesar da eliminação do Brasil para a Bélgica, o deficiente visual Carlos da Silva ressaltou que pela primeira vez conseguiu sentir como os jogadores se deslocam em campo.

Ganhar ou perder faz parte do jogo, o que importa é que todos possam torcer juntos.

*Informações do repórter Victor Moraes