Menor morre e outro fica ferido em troca de tiros com PMs durante sequestro-relâmpago em SP

  • Por Jovem Pan
  • 15/01/2019 06h03
PixabayNo momento do confronto, a dupla mantinha refém uma jovem, que escapou sem ferimentos

Perseguição e troca de tiros entre PMs e adolescentes durante sequestro-relâmpago termina com um menor morto e outro detido na Zona Sul de São Paulo. No momento do confronto, a dupla mantinha refém uma jovem, que escapou sem ferimentos.

A vítima, identificada como Bárbara Suellen de Lucas Assis, de 25 anos, foi dominada pelos suspeitos por volta das 21h30 desta segunda-feira (14) em frente à residência onde mora, na região do Campo Limpo.

Bárbara estava com o irmão em um Ford EcoSport preto, estacionado na porta da casa, e, no momento em que se despediam, surgiram dois bandidos armados e anunciaram o assalto. Os criminosos recolheram os objetos pessoais das vítimas e entraram no carro. Foi quando o rapaz conseguiu correr e pedir ajuda a um vizinho, mas Bárbara foi levada.

Os dois passaram a seguir os assaltantes, mantendo distância, até que cruzaram com uma equipe da PM e informaram o que tinha acontecido. De posse das características e modelo do veículo ocupado pelos bandidos, os militares passaram a fazer buscas, até que encontraram os suspeitos na Avenida Carlos Caldeira Filho.

Em meio à perseguição, o assaltante que estava no banco do passageiro sacou um revólver e atirou em direção aos policiais, que revidaram. Neste momento, o criminoso que dirigia perdeu o controle da direção do EcoSport, que bateu em um Corsa Sedan prata, que, por sua vez, atingiu um ônibus parado junto à Estação Vila das Belezas da Linha 5 – Lilás do Metrô.

O ladrão que estava no banco do passageiro teria efetuado novos disparos e, no revide, acabou sendo atingido. O adolescente ainda foi encaminhado pelos bombeiros ao pronto-socorro do Hospital Municipal do Campo Limpo, mas não resistiu e morreu. O comparsa dele, de 16 anos, foi detido ileso.

O adolescente foi encaminhado ao 89º Distrito Policial, do Portal do Morumbi, onde foi sindicado e depois encaminhado à Fundação CASA. O caso foi comunicado ao delegado plantonista e registrado no Departamento de Homicídios Proteção à Pessoa, o DHPP.

*Informações do repórter Paulo Édson Fiore