Mesmo com projeção desoladora, Reino Unido tem combate ao coronavírus como prioridade

  • Por Ulisses Neto/Jovem Pan
  • 15/04/2020 07h23
EFE/EPA/ERDEM SAHINO Reino Unido já está há quase um mês confinado e a expectativa é de que o país fique pelo menos mais 30 dias desse jeito

O mundo inteiro faz as contas para saber o quanto a crise do coronavírus vai custar para a economia. Hoje ninguém sabe ao certo qual será o impacto real da quarentena quase que global.

A única certeza é que vai doer. E muito.

Na terça-feira (14), aqui na Grã Bretanha, foi divulgada uma projeção feita por um órgão ligado ao governo apontando cenário quase que inimaginável. Segundo o Escritório para Responsabilidade Orçamentária britânico, a economia do Reino Unido deve cair 35,1% só neste trimestre.

Ou seja, a sexta maior economia do mundo estaria encolhendo um terço somente entre este mês de abril e o próximo mês de junho. O cenário foi desenhado levando em consideração três meses de quarentena total, mais três meses de quarentena parcial.

O Reino Unido já está há quase um mês confinado e a expectativa é de que o país fique pelo menos mais 30 dias desse jeito. Pelo menos.

O impacto para o emprego também será devastador. Cerca de dois milhões de pessoas devem perder seus postos de trabalho por aqui. Por sorte, o Reino Unido tinha antes da pandemia uma das menores taxas de desemprego da história. Agora ela deve chegar a 10% até junho.

Diante de uma projeção desoladora dessas, vocês podem achar que a histeria pelo fim da quarentena também tenha se instalado por aqui — mas este não é o caso. O ministro das Finanças britânico, Rishi Sunak, garantiu que a prioridade continua sendo combater o vírus.

Sunak disse que não é um caso de escolha entre economia e saúde pública. “O senso comum nos diz que isso seria autodestrutivo. No momento em que vemos centenas de pessoas morrendo todos os dias por essa terrível doença, a prioridade absoluta deve ser concentrar todos os nossos recursos, não apenas o estado, mas também as empresas e todos vocês em casa, em um esforço nacional coletivo para combater esse vírus”.

E de fato a mesma projeção que fala em queda de 35% do PIB britânico só neste trimestre, também aponta a possibilidade de uma retomada rápida. O país pode voltar ao seu nível de crescimento pré-crise ainda no final deste ano, mesmo que a projeção seja de -13% para o PIB em 2020.

Nesta terça também o Fundo Monetário Internacional apresentou projeções catastróficas para a economia mundial por conta da pandemia. Para o FMI, a contração global deve girar em torno dos 3%. Aqui na Europa, Itália e Espanha serão os mais afetados.

No entanto, está cada vez mais claro que todo o planeta será drasticamente atingido por esta crise — é inevitável. Aqueles com economias estruturadas, coesão política e adesão da população às medidas restritivas têm chances melhores de recuperação.