México e EUA falam em combate a cartéis após massacre de família mórmon

  • Por Jovem Pan
  • 06/11/2019 06h53 - Atualizado em 06/11/2019 07h15
EFE/EPA/OLIVER CONTRERASO presidente mexicano Andres Manuel Lopez Obrador prestou condolências à família LeBaron, mas rejeitou a ajuda dos norte-americanos

A polícia investiga a morte de nove pessoas de uma família de mórmons que viajava pelo norte do México, próximo à fronteira com os Estados Unidos. Autoridades mexicanas acreditam que os criminosos confundiram os carros em comboios com veículos de gangues rivais.

O ataque aconteceu em uma área dominada por cartéis.

Três mulheres, quatro crianças e dois bebês foram baleados e queimados vivos.

No twitter, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse que é hora do México e Estados Unidos “limparem” os carteis de drogas da face da terra. O presidente mexicano Andres Manuel Lopez Obrador prestou condolências à família LeBaron, mas rejeitou a ajuda dos norte-americanos no combate ao crime organizado.

O senador republicano Mitt Romney, que também é mórmon, disse que os Estados Unidos precisam enfrentar a crescente de violência dos carteis mexicanos.

Os sete sobreviventes do massacre foram levados a um hospital de Phoenix, no Arizona. As vítimas eram integrantes de um grupo mórmon que se estabeleceu no México no começo do século passado.

*Com informações da repórter Lívia Fernanda