MG: CPI de Brumadinho entrega relatório ao Ministério Público

  • Por Jovem Pan
  • 18/09/2019 08h34
EFEA barragem da Mina do Córrego do Feijão se rompeu no dia 25 de janeiro; após sete meses, 21 pessoas continuam desaparecidas

Após solicitar o indiciamento de 13 pessoas, a CPI de Brumadinho, da Assembleia Legislativa de Minas Gerais, apresentou o seu relatório à Procuradoria-Geral do Estado. O deputado André Quintão negou que a CPI acabará em “pizza” e ressaltou a importância de um posicionamento dos órgãos públicos.

“É muito importante que a gente encerre essa etapa, esse ciclo, esse censo de que a sociedade tem de que CPI acaba em pizza. A CPI aqui na Assembleia apresentou um relatório muito consistente, com recomendações variadas e ampliadas. É importante que elas não fiquem apenas no relatório, mas que os órgãos públicos tomem providência.”

O procurador-geral de Justiça de Minas, Antônio Sérgio Tonet, afirma que R$ 12 bilhões da Vale já foram bloqueados para reparações às vítimas e danos ambientais. “O MP está trabalhando em conjunto com a Polícia Civil, com o MPF e a PF. Tenho convicção que nos próximos dias entregaremos uma solução para apontar à Justiça os culpados.”

Esse é o desejo das famílias, como explica Andressa Rodrigues – ela perdeu seu único filho na tragédia. Ele só foi encontrado após três meses do rompimento da barragem.

“Que as pessoas realmente sejam presas, porque elas ainda estarão no lucro porque a família ainda pode visitar. Os nossos familiares não vão nos visitar porque eles estão mortos. O presidente (da Vale) não pode se esconder usando de ações da Justiça para não vir e não depor, porque ele é responsável.”

O então presidente da Vale, Fábio Schvartsman, e mais 10 funcionários da mineradora tiveram pedido de indiciamento pela Comissão Parlamentar de Inquérito ao Ministério Público, bem como dois engenheiros da empresa TÜV SÜD.

A barragem da Mina do Córrego do Feijão se rompeu no dia 25 de janeiro. Após sete meses, 21 pessoas continuam desaparecidas e 249 mortes foram confirmadas.

*Com informações do repórter Marcelo Mattos