Ministério da Saúde antecipa campanha de combate a dengue

  • Por Jovem Pan
  • 13/09/2019 08h14
Reprodução/FlickrEntre dezembro de 2018 e agosto deste ano foram registrados mais de 1,4 milhão de casos de dengue em todo o país

O ministério da Saúde resolveu antecipar o início da campanha de combate ao Aedes aegypti. Em vez de iniciar o trabalho de convencimento da população já em meio ao aumento de casos, registrado com o início do período chuvoso, a pasta optou por estimular a prevenção.

Com o slogan “E você? Já combateu o mosquito hoje? A mudança começa por você”, a campanha, que começou a ser veiculada em diversas plataformas nesta quinta-feira (12), reforça a necessidade de cada um tomar a iniciativa de se proteger contra o mosquito que é responsável pela transmissão não só da dengue, mas também da zika e da chikungunya.

Como explica o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, as ações de prevenção estão começando dois meses antes do que em anos anteriores. “Dá tempo das pessoas fazerem os grandes mutirões, colocarem na agenda e não esperar depois que o ciclo da doença já está instalado. É muito comum ver as pessoas fazendo mutirões durante a epidemia, se tivessem feito cedo o risco seria muito menor.”

Vale destacar que entre dezembro de 2018 e agosto deste ano foram registrados mais de 1,4 milhão de casos de dengue em todo o país. São, em média, 6,7 mil novos casos por dia, o que representa um aumento de 600% se comparado ao mesmo período do ano passado.

Segundo o ministério da Saúde, 591 pacientes morreram com por conta de complicações decorrentes da dengue, somente neste ano. Pelo menos 14 Estados brasileiros estão em situação de epidemia.

Somente a Amazonas e o Amapá apresentaram uma redução em relação aos dados divulgados em 2018. E isso não é só em relação a dengue, os casos de zika e chikungunya também seguiram a tendência.

Diante de todos esses aumentos em um período que o número de casos tende a diminuir, o ministério da Saúde viu a necessidade, então, de antecipar o início da campanha.

É bom lembrar que o Aedes aegypti precisa de água parada para se reproduzir, e a publicidade vai justamente no sentido de estimular ao combate aos criadouros do mosquito.

*Com informações do repórter Antônio Maldonado