Ministério garante mais um mês para CNPq e discute alternativas

  • Por Jovem Pan
  • 04/09/2019 09h38 - Atualizado em 04/09/2019 10h46
MARCO MIATELO/ESTADÃO CONTEÚDO Segundo Pontes, alternativas estão em fundo da Petrobras ou no adiantamento de dividendos

O ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, disse, nesta terça-feira (3), que garantiu uma sobrevida de mais um mês para Bolsistas do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Ele pediu que fossem transferidos R$ 82 milhões da área de fomento para o setor de bolsas, o que garantiria o pagamento dos benefícios referentes ao mês de setembro.

O remanejamento no entanto, ainda precisa do sinal verde do ministério da Economia. Para garantir o pagamento das bolsas até o final do ano, ainda faltam R$  248 milhões. Pontes explica que, para conseguir esse valor, há duas alternativas possíveis.

“É duro, porque eu durmo e acordo pensando nisso. Mas para o restante do ano, o que nós temos? Duas alternativas: Uma delas são os recursos dos dividendos dos bancos, que vão entrar agora em setembro, então existe uma possibilidade, de acordo com o ministro Onyx [Lorenzoni], de usar esses recursos para uma transferência para o CNPQ, o que nos resolveria o problema, precisaria de R$ 250 milhões para isso. A segunda alternativa seria usar os recursos da Lava Jato”, explicou.

Existe um pedido  do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) para que dos R$ 2,5 bilhões do fundo milionário da Petrobras, R$ 250 milhões sejam destinados ao CNPq para o pagamento de 84 mil bolsistas até o fim do ano.

Para o ano que vem, segundo o ministro, existe um espaço fiscal maior para discutir o assunto com mais tranquilidade.

*Com informações da repórter Luciana Verdolin