Ministério paga em dia, são os Estados que atrasam, diz ministro sobre repasses a Santas Casas

  • Por Jovem Pan
  • 21/07/2017 08h52
Rio de Janeiro - O ministro da Saúde, Ricardo Barros durante encontro da Associação Comercial do Rio de Janeiro com o ministro para discutir a situação da saúde no estado. (Tomaz Silva/Agência Brasil)“Ministério da Saúde paga em dia todos os seus compromissos", defendeu o ministro

Atendendo a milhares de pessoas mensalmente, as Santas Casas do País ainda criticam os atrasos em repasses para que elas continuem atendendo pacientes de modo regular. Algumas são “salvas” por repasses urgentes, como foi o caso da unidade em Barretos (SP), e Belo Horizonte (MG) e outras ainda interrompem atendimentos de cirurgias por falta de recursos.

Em entrevista exclusiva ao Jornal da Manhã, o ministro da Saúde, Ricardo Barros, eximiu o Ministério da Saúde de culpa nestes casos e afirmou que a pasta faz os repasses aos Estados e municípios em dia.

“Ministério da Saúde paga em dia todos os seus compromissos. Repassamos R$ 75 bilhões por ano aos Estados, mas eles não repassam ou repassam com atrasos. Mas a nossa obrigação é feita em dia”, disse.

O ministro referiu a Estados como Rio de Janeiro e Minas Gerais, mas disse que não são apenas estes e sim que há “vários Estados” com atrasos em repasses da Saúde. “Eles retêm para cumprir suas obrigações de folhas de pagamento e outras. Temos a federação, Estados e municípios que são autônomos e não temos como interferir na responsabilidade desses entes”, explicou.

Saúde bucal

O Ministério da Saúde está investindo R$ 344,3 milhões para qualificar, ampliar e fortalecer o atendimento de saúde bucal por meio do SUS em todo o País. A ação possibilitará o custeio de 2.299 novas equipes de Saúde Bucal, o credenciamento de 34 Unidades Odontológicas Móveis (UOMs) e a aquisição de 10 mil cadeiras para consultórios odontológicos, com raio-x, que funcionam nas Unidades Básicas de Saúde (UBS).

Segundo o ministro, essa é uma ação que não utilizará mais recursos do Tesouro Nacional, mas sim destinará tais recursos a uma melhor utilização.

Confira a entrevista completa: