Ministério Público denuncia dois militares por execuções na Ditadura

  • Por Jovem Pan
  • 29/05/2018 09h05 - Atualizado em 29/05/2018 09h06
Reprodução/Facebook OficialVista interna do cárcere do Memorial da Resistência, onde funcionou o Departamento Estadual de Ordem Política e Social de São Paulo (Deops-SP), onde eram mantidos presos políticos.

O Ministério Público Federal denunciou dois ex-agentes da Ditadura Militar brasileira pela morte de dois militantes contrários ao regime.

De acordo com a denúncia, o então tenente-coronel Maurício Lopes Lima e o suboficial Carlos Setembrino da Silveira participaram da execução de Alceri Maria Gomes da Silva, membro da Vanguarda Popular Revolucionária, e Antônio dos Três Reis de Oliveira, integrante da Aliança Libertadora Nacional.

Os crimes aconteceram em maio do ano de 1970 e teriam sido cometidos na casa onde os militantes moravam, no Tatuapé, na zona leste de São Paulo.

Segundo as investigações, os militares chegaram até o local por meio de informações obtidas depois de torturar outro militante.

A versão ganhou força depois do recente vazamento de documentos norte americanos escritos à época, em que o então diretor da CIA, Willian Colby relatava o teor de reuniões que manteve com o presidente Ernesto Geisel.

Com a denúncia, o Ministério Público pede que os denunciados respondam também, além dos assassinatos, pelos crimes crimes de tortura e abuso de autoridade. Os promotores também pediram a cassação das aposentadorias dos militares.

Apesar do tempo em que as mortes aconteceram, o Ministério Público alega que não cabe prescrição ou anistia neste caso, porque as execuções podem ser consideradas crimes contra a humanidade.