Morador de rua diz que incendiou colega por furto de R$ 10 mil

  • Por Jovem Pan
  • 09/01/2020 07h07 - Atualizado em 09/01/2020 08h17
ReproduçãoImagens de uma câmera de segurança mostram o suspeito usando roupas pretas fazendo uma pequena fogueira onde o morador de rua dormia

A Polícia Civil diz que o morador de rua preso por matar outro na zona leste de São Paulo, no domingo (5), confessou ter ateado fogo colega por furto de dinheiro.

A reportagem apurou que o nome do suspeito é Flausino Campos, conhecido como Buiu. Oficialmente, os investigadores não confirmam a identificação por conta da nova lei de abuso de autoridade.

Flausino Campos foi detido na região do Cambuci, no centro da cidade. No último domingo, ele teria incendiado Carlos Roberto Vieira, de 39 anos, enquanto ele dormia na região Mooca.

Os delegados responsáveis pelo caso dizem que Flausino acusa Carlos de ter pegado R$ 10 mil dele. Mas, de acordo com o delegado Glaucus Vinícius, a história ainda precisa ser melhor apurada.

“Ele disse que fez um saque de uma determinada quantia, R$ 10 mil, e a única pessoa que ele mostrou o dinheiro foi a vítima. Quando ele acordou naquela noite, verificou que não estava mais em posse do dinheiro. E ai ele presumiu que a vítima foi o autor do furto.”

O morador de rua Carlos Roberto Vieira da Silva teve 70% do corpo queimado e morreu na manhã desta segunda-feira (6). Após ouvir o depoimento do suspeito, a delegada Silvana Sentieri acredita que ele será indiciado por homicídio doloso — quando há intenção de matar.

“Nós ficamos inicialmente nessa dúvida: se houve dolo direto ou não. Se teria ocorrido o que chamamos de dolo eventual. Mas, tendo em vista localização e declarações dele, eu acredito que a denúncia — caso haja — seja por homicídio doloso.”

Imagens de uma câmera de segurança mostram o suspeito usando roupas pretas fazendo uma pequena fogueira onde o morador de rua dormia, na esquina das ruas Celso de Azevedo Marques com a rua Etiópia.

Logo depois, ele joga um líquido inflamável e provoca uma explosão. No local, foram encontrados um isqueiro, um galão de gasolina e outros objetos, que estão sendo periciados.

Não está descartada pela polícia a hipótese das chamas terem tomado grandes proporções acidentalmente.

O corpo de Carlos Roberto foi enterrado nesta quarta-feira (8) em Sergipe.

*Com informações do repórter Leonardo Martins