Moradores da capital calculam os prejuízos após enchente ‘nunca vista’

  • Por Jovem Pan
  • 12/02/2020 06h18 - Atualizado em 12/02/2020 08h13
BRUNO ROCHA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDOA região da zona oeste foi a que mais sofreu com o temporal, segundo o CGE

Guinchos, lama e água. Esse era o cenário na Zona Oeste da cidade de São Paulo nesta terça-feira (11), o dia seguinte às fortes chuvas que atingiram a capital paulista. A região foi a que mais sofreu com o temporal, segundo o CGE (Centro de Gerenciamento de Emergências Climáticas).

A professora Graziela Rodrigues mora no térreo de um prédio próximo à Ceagesp, o maior entreposto de alimentos da América Latina. Ela contou que ainda estava dormindo, quando a água invadiu o apartamento.

“Eu tava dormindo, tava de pijama. Comecei a pedir ajuda para os vizinhos e subimos o fogão, a geladeira para o 1º andar, erguemos a cama. Perdi o guarda-roupas e a cômoda.”

A advogada Andreza Alves estava ajudando a guinchar o carro do irmão dela. O veículo, assim como os demais que estavam na rua, ficou quase totalmente submerso.

Andreza mora na região há muito tempo e nunca tinha visto uma situação como essa. “Moro aqui no bairro a vida toda, já teve enchentes bem feias. Mas nesse nível que foi segunda eu realmente não lembro. Foi bem difícil.”

Na tentativa de tentar salvar os equipamentos da locadora dele, o empresário Alexandre Fuchigami veio até o prédio, próximo à Ceagesp, para buscar um amigo. Mas, como ele não conseguia passar de carro, ele comprou um caiaque.

“A gente sabe que aqui na Leopoldina tem esse histórica. A gente sempre brincava quando chovia um pouco: ‘pega o bote, pega o caiaque’. Mas sempre foi de brincadeira. Eu comecei a ficar desesperado porque as pessoas pararam de responder o celular e não sabia mais o que fazer.”

Alexandre diz que móveis, computadores e equipamentos de filmagens foram perdidos na enchente e o prejuízo pode chegar a R$ 300 mil.

*Com informações da repórter Nicole Fusco