Morte repentina da princesa Diana completa 20 anos nesta quinta

  • Por Jovem Pan
  • 31/08/2017 07h40 - Atualizado em 31/08/2017 11h46
EFE Lady Di faleceu em um acidente de carro em um túnel de Paris, em 1997

A morte repentina de Diana completa 20 anos, mas as homenagens e o legado da princesa do povo seguem vivos em várias partes do mundo, inclusive no Brasil.

Conhecida por seu turbulento relacionamento com o príncipe Charles e pelas ações de caridade, ela faleceu em um acidente de carro em um túnel de Paris, em 1997.

Em visita ao Brasil seis anos antes, Lady Di pegou bebês no colo e quebrou vários protocolos da realeza que cativaram brasileiros. Acabaram por ofuscar o marido, que preferiu assistir a seminários sobre ecologia.

No Rio, a princesa de Gales conheceu meninos e meninas de rua atendidos pela Associação São Martinho, na Lapa, que esperavam a presença um personagem saído dos livros de contos de fadas, recordou a assistente social Regina Moreira: “cobraram o vestido comprido, cobraram a coroa, mas quando ela veio e abraçou, ela desmistificou aquilo, com a simplicidade dela”.

A simpatia da mãe dos herdeiros do trono inglês foi retribuída com um sonoro berimbau.

Diana é lembrada pelos ingleses como “a princesa do povo” por sua dedicação a causas sociais, sobretudo à AIDS.

Foi uma das primeiras figuras públicas a apertar a mão de um portador de HIV. Também se dedicou à campanha contra minas terrestres. Seu trabalho é encabeçado agora por seus filhos.

O mais velho, príncipe William, admitiu que não tinha a dimensão do impacto do trabalho da sua mãe quando criança. Mas hoje se inspira em Diana para realizar ações semelhantes na África. “Eu tento aprender com ela”, disse ele.

William, o filho mais velho, casou-se com Catarina, a Duquesa de Cambridge. A nova geração da realeza britânica admitiu ter em Lady Di uma inspiração: “ela é obviamente uma mulher para se espelhar. Muito inspiradora”.

Em um documentário lançado semana passada pela rede britânica BBC, Príncipe Harry, o filho mais jovem admite que ainda sente revolta pela morte da mãe: “ela teve um ferimento muito grave na cabeça, mas ainda estava viva no banco de trás. As mesmas pessoas que causaram o acidente preferiram continuar tirando as fotos em vez de socorrer minha mãe”,

Diana morreu na sequência de um acidente no túnel Ponte de l’Alma, em Paris. O carro onde seguia, juntamente com o namorado, Dodi Al-Fayed, seguia em excesso de velocidade e era seguido por vários paparazzi.

O príncipe Charles, divorciado de Diana desde 1996, voltou a se casar com sua amante Camilla e se prepara para subir um dia ao trono.

Segundo o palácio de Kensington, onde Lady Di morava em Londres, não está previsto nenhum ato oficial para a quinta-feira.

Mas para ancorar de maneira duradoura a recordação da mãe, os filhos encomendaram uma estátua de Diana que será erguida até o fim do ano.

Confira as informações do correspondente da Jovem Pan em Londres, Ulisses Neto:

*Informações da repórter Carolina Ercolin