Motoristas serão orientados a travar portas e ir até delegacia em caso de abuso dentro de ônibus em SP

De 2017 para cá, foram registrados 140 casos de importunação sexual dentro dos coletivos da SPTrans

  • Por Jovem Pan
  • 07/03/2020 09h40
FÁBIO VIEIRA/FOTORUA/ESTADÃO CONTEÚDOPeças publicitárias de conscientização serão divulgadas dentro dos trens, ônibus e metrô de São Paulo

Motoristas e cobradores de ônibus vão ser instruídos a travar as portas e dirigir até uma delegacia em caso de abuso sexual dentro do coletivo na capital paulista. A Prefeitura de São Paulo anunciou nesta sexta-feira (7) a criação de um grupo para combater esse tipo de crime no transporte público.

Peças publicitárias de conscientização serão divulgadas dentro dos trens, ônibus e metrô de São Paulo. Os trabalhos serão feitos em uma ação conjunta entre a Secretaria de Mobilidade e Transportes e a Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania.

O secretário de Mobilidade e Transportes, Edson Caram, explicou como os motoristas serão treinados. “A mulher na hora que ela for assediada, ela mostrar que realmente isso está acontecendo para o motorista. O motorista para o ônibus, fecha as portas e leva até a delegacia para ela fazer a ocorrência junto com o infrator”.

A secretária dos Direitos Humanos e Cidadania, Claudia Carletto, ressaltou a importância da parceria com as forças policiais do Estado.

“Esse é um trabalho que a Secretaria dos Direitos Humanos faz o tempo todo, falar desse assunto, e capacitar todos os interlocutores sobre esses temas. Um pouco de informação todo mundo tem, mas a gente precisa detalhar exatamente o que é a Lei Maria da Penha, a Lei da Importunação Sexual, porque é importante falar sobre violência de gênero, todo o histórico que tem por trás disso, é uma questão cultural que permeia a nossa sociedade”.

Um contrato de cooperação foi assinado nesta sexta para oficializar a criação do grupo para debater o tema. De 2017 para cá, foram registrados 140 casos de importunação sexual dentro dos ônibus da SPTrans.

* Com informações do repórter Leonardo Martins