Mourão diz que boicote da seleção à Copa América é ‘bobagem’ e provoca Tite

Vice-presidente lembrou que os jogadores não deixaram de ‘servir à seleção’ mesmo durante governos militares e afirmou que vaga de técnico do Cuiabá está disponível

  • Por Jovem Pan
  • 07/06/2021 10h01 - Atualizado em 07/06/2021 10h10
WALLACE MARTINS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDOGeneral lembrou que mesmo durante período da ditadura militar, os jogadores não deixaram de "servir à seleção"

O vice-presidente da República, general Hamilton Mourão, considera uma “bobagem” a possibilidade dos jogadores e da comissão técnica da seleção brasileira de não participarem da Copa América, que será disputada no país ao longo do mês de junho. Em conversa com jornalistas nesta segunda-feira, 7, o vice-presidente cobrou que os jogadores tenham responsabilidade com o orgulho da seleção brasileira e indicou um cargo no Cuiabá para Tite, caso ele queira deixar o comando da equipe. O general lembrou que mesmo durante período da ditadura militar, os jogadores não deixaram de “servir à seleção”. “Sou do tempo que jogador de futebol quando era convocado para a seleção brasileira era considerado uma honra. O técnico não quer mais? Não quer, o Cuiabá está precisando de técnico. Sai, pede o boné. Acho que isso é uma discussão, nesse momento, totalmente funcional. E vamos lembrar que em outros momentos, que vamos dizer assim, durante período que havia uma contestação maior, durante período de governos militares, ninguém deixou de servir a seleção brasileira. Então bobagem isso aí”, afirmou. A proposta é que a Copa América 2021 aconteça entre os dias 11 de junho e 10 de julho. Mesmo com a resistência dos jogadores brasileiros e de membro da comissão técnica, o governo tem garantido a realização do evento.