MP e Polícia do RJ tentam entender elo de filhos de Flordelis com morte de pastor

Investigações contra deputada apontam para eventuais crimes como nepotismo e rachadinha

  • Por Jovem Pan
  • 08/09/2020 07h29 - Atualizado em 08/09/2020 08h07
ReproduçãoFlordelis é acusada de ter arquitetado o assassinato do marido e só não foi presa porque goza de prerrogativa de foro

A Polícia e o Ministério Público do Rio de Janeiro abriram um terceiro inquérito para investigar o caso Anderson do Carmo-Flordelis. Na mira agora das autoridades estão um filho e uma neta da deputada federal, cozinheira e motorista da família. As investigações apontam que o filho dela, Gerson Oliveira, que trabalha na Câmara dos Deputados com a parlamentar, e a cozinheira Jucineia Teixeira teriam participado das varias tentativas de envenenamento do pastor Anderson do Carmo.

O pastor foi morto em meados do ano passado na casa da família em Niterói com mais de 30 tiros. Antes de ser assassinado, houveram outras tentativas de envenenamento que não deram certo. As investigações apontam ainda que uma neta de Flordelis, Lorraine dos Santos, secretária parlamentar, e o motorista Márcio Buba, também teriam participado de alguma forma da trama envolvendo o assassinato do pastor Anderson do Carmo. Todos negam envolvimento no crime. Até agora sete filhos de Flordelis já foram presos, além de uma neta.

Flordelis é acusada de ter arquitetado o assassinato do marido e só não foi presa porque goza de prerrogativa de foro. Há ainda investigações contra Flordelis que apontam para eventuais crimes como nepotismo, por ter empregado parentes em Brasília, e rachadinha. Os advogados da deputada federal negam que ela pratique nepotismo porque empregou, na verdade, filhos adotivos — e não biológicos — e rechaçam a possibilidade de desvios de recurso através da rachadinha por parte da parlamentar.

*Com informações do repórter Rodrigo Viga