MP prepara denúncia contra João de Deus e PGR pede ao Supremo que médium continue preso

  • Por Jovem Pan
  • 28/12/2018 06h58
Marcelo Camargo/Agência BrasilA procuradora-geral da República também falou sobre “risco de fuga e a intenção de dificultar as investigações”

A procuradora-geral da República defendeu a manutenção da prisão preventiva de João Teixeira de Faria, o João de Deus. Em manifestação enviada ao Supremo Tribunal Federal, Raquel Dodge afirmou que o habeas corpus solicitado pela defesa “representa dupla supressão de instâncias do Judiciário”, pois o mérito “não foi analisado pelo Tribunal de Justiça de Goiás ou pelo Superior Tribunal de Justiça”.

A procuradora-geral da República também falou sobre “risco de fuga e a intenção de dificultar as investigações”. Os advogados do médium pediram a soltura dele nas três instâncias do Judiciário.

Raquel Dodge ainda pediu ao presidente da Corte, ministro Dias Toffoli, a suspensão do sigilo das investigações. Para ela, não há razão, no caso concreto, de “excepcionar a regra da publicidade dos atos judiciais determinada pela Constituição Federal”.

A defesa de João alega que o médium é inocente das acusações de abuso sexual. A esposa dele também o defende: em depoimento prestado na última quarta-feira à Polícia Civil, Ana Keila Teixeira afirmou que nunca soube de nenhuma acusação contra o marido.

Para a delegada Karla Fernandes, Ana declarou não ter conhecimento sobre as armas, as pedras preciosas e nem sobre o dinheiro apreendidos na residência do casal.

João também prestou depoimento ao Ministério Público de Goiás. Os promotores devem entregar a denúncia contra o médium até domingo e nesta sexta-feira (28) à tarde realizam uma coletiva de imprensa.

Mais de 600 relatos de mulheres que se dizem vítimas de João de Deus foram recebidos pela força-tarefa que cuida do caso. A equipe já ouviu78 depoimentos e continua trabalhando, mesmo durante o recesso de fim de ano.

Sem a decisão do Supremo, João de Deus continua preso no Núcleo de Custódia, em Aparecida de Goiânia, onde está desde o dia 16. Há uma semana o Tribunal de Justiça de Goiás havia decretado a prisão preventiva do médium por posse ilegal de armas.

No entanto, nesta quinta-feira (27), o mesmo tribunal concedeu uma liminar revogando este segundo pedido de prisão.

*Informações da repórter Marcella Lourenzetto