MP quer que TCU fiscalize impacto de intervenção de Bolsonaro em propaganda do BB

O presidente determinou que o material fosse retirado do ar e a demissão do responsável pela campanha

  • Por Jovem Pan
  • 30/04/2019 07h15
Wikimedia CommonsLucas Rocha Furtado apontou excesso de interferência do presidente Bolsonaro

O subprocurador-geral do Ministério Público, Lucas Rocha Furtado, pediu ao Tribunal de Contas da União que fiscalize a possibilidade de prejuízos ao Banco do Brasil, por conta da interferência do presidente Jair Bolsonaro, na publicidade oficial da instituição financeira.

O presidente determinou que o material, voltado ao público jovem, fosse retirado do ar e a demissão do responsável pela campanha.

Bolsonaro havia determinado às estatais também que todo material publicitário deveria ser apresentado ao Palácio do Planalto antes da veiculação. No pedido encaminhado ao TCU, o subprocurador avaliou que não há nenhuma justificativa técnica para o veto ao comercial, sendo ela puramente ideológica.

Lucas Rocha Furtado apontou também excesso de interferência do presidente Bolsonaro. Posição parecida com a da Secretaria de Governo que, na semana passada, já alertava que o Governo não poderia tomar esse tipo de atitude.

O porta-voz da Presidência, Rêgo Barros, disse que o Governo mantém a intenção de sinalizar qual caminho deverá ser seguido. Segundo ele, não se trata de interferência, e sim de estabelecer políticas estratégias e planos de trabalho.

*Informações da repórter Luciana Verdolin