MP-SP entra com 12 ações relacionadas a ocupações em prédios na capital paulista

Em nenhum dos 12 casos houve recomendação para a interdição dos prédios

  • Por Jovem Pan
  • 26/04/2019 09h41 - Atualizado em 26/04/2019 10h23
Rovena Rosa/Agência BrasilO prédio no Largo do Paissandu desabou em 1º de maio do ano passado

Quase um ano depois do desastre do Largo do Paissandu o Ministério Público de São Paulo toma as primeiras medidas na Justiça para tentar garantir a segurança de ocupações.

A Promotoria de Habitação e Urbanismo de São Paulo entrou, nesta quinta-feira (25), com 12 ações civis públicas relacionadas a prédios invadidos no centro da capital. Elas são resultados de grupo de trabalho formado na época da tragédia que reuniu poder público, movimentos sociais e sociedade civil.

Em nenhum dos 12 casos houve recomendação para a interdição dos prédios. Além disso, existem processos específicos para discutir a permanência ou não das ocupações.

*Informações do repórter Tiago Muniz