MPF abre investigação para apurar suposto vazamento da PF a Flávio Bolsonaro

  • Por Jovem Pan
  • 19/05/2020 07h26 - Atualizado em 19/05/2020 07h51
Pedro França/Agência SenadoO empresário Paulo Marinho afirmou que Flávio Bolsonaro teve conhecimento prévio da operação

O suposto vazamento de informações por parte agentes da Polícia Federal na operação da Furna da Onça, que aconteceu em 2018 e investigou a prática de rachadinhas na Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro e no gabinete do atual senador Flávio Bolsonaro, será investigado pelo Ministério Público Federal (MPF).

O MPF solicitou o desarquivamento de um inquérito policial que já tinha apurado o vazamento. Na época, o caso foi arquivado após a Polícia Federal informar que não houve indícios da suspeita.

Em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo, o empresário Paulo Marinho afirmou que Flávio Bolsonaro teve conhecimento prévio da operação, assim como informações sobre movimentação atípicas nas contas de Fabrício Queiroz, ex-assessor do parlamentar que seria responsável por gerenciar a rachadinha no gabinete do filho do presidente Jair Bolsonaro.

O Ministério Público Federal quer agora ouvir o empresário Paulo Marinho, autor da denúncia. Marinho tem recebido ameaças pelas redes sociais e por telefone e já pediu, ao governo do Rio de Janeiro, proteção e segurança especial.

Inicialmente, houve um reforço de patrulhamento nas proximidades da residência do empresário, mas a polícia fluminense vai montar um esquema de proteção para Marinho, que foi vice-candidato a senador na chapa com o Flávio Bolsonaro.

*Com informações do repórter Rodrigo Viga