Mudança no vale-transporte em São Paulo atinge empresas e não funcionários, diz secretário

  • Por Jovem Pan
  • 01/03/2019 09h05
Willian Moreira/Estadão Conteúdo"Para o funcionário não muda nada, continua o mesmo desconto de 6% do salário”, garantiu

Começou nesta sexta-feira (1º) a mudança no vale-transporte para uso em ônibus na cidade de São Paulo. Agora, os usuários poderão fazer até duas viagens em três horas – antes a regra era de até quatro viagens em um período de até duas horas. A medida foi alvo de críticas e questionamentos de que afetaria os mais pobres.

Em entrevista exclusiva ao Jornal da Manhã, o secretário municipal de Mobilidade e Transportes de São Paulo, Edson Caram, disse não ver onde isso pode acontecer. “O empresário é obrigado a pagar vale-transporte para seu funcionário. Se o empregado tiver de fazer mais de dois embarques, o empresário subsidiará a tarifa, e não a Prefeitura. Para o funcionário não muda nada, continua o mesmo desconto de 6% do salário”, garantiu.

Questionado se a mudança não motivaria demissões nas empresas por conta de um eventual aumento no custo para tais com vale-transporte, Caram disse que a Prefeitura não acredita em tal possibilidade. Segundo ele, “o valor de uma perna [um embarque] a um funcionário não é tão significativo a ponto de mandar embora”.

De acordo com o secretário, cerca de 1,5 milhão de pessoas utilizam vale-transporte na cidade e a mudança atende apenas 8% dessa população. “O restante continua de forma normal. Nestes 8% cabe à classe patronal arcar com essas despesas. O que não pode é a sociedade em geral pagar isso pelo patrão”, defendeu.

Enquanto a mudança ocorre, podem existir empresas que deem um “jeitinho” para burlar a mudança, pagando o funcionário “por fora” para que ele carregue um Bilhete Único, como usuário comum. Mas Caram alertou: “o empregador deve dar vale-transporte a seu empregado, por lei. De alguma forma, na sua contabilidade, estará lá. E na hora do acerto com a Receita, vai ter que explicar por que não está dando o vale-transporte a seu funcionário”.

Confira a entrevista completa com o secretário municipal de Mobilidade e Transportes de São Paulo, Edson Caram: