Mulheres afegãs lidam com orgulho e medo ao dirigir pelas ruas de Cabul

  • Por Jovem Pan
  • 02/12/2019 06h53
Marcelo Camargo/Agência BrasilO Pink Shuttle, que recebe apoio da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional, deve ser estendido nos próximos anos

Sorrisos, aplausos e expressões de choque. Essas são algumas das reações que moradores de Cabul, capital do Afeganistão, demonstram ao ver mulheres atrás do volante.

A cidade, de tradição ultraconservadora, é um dos poucos locais no país em que elas podem ser vistas dirigindo.

Parisa Haidary, de 36 anos, é uma das quatro motoristas que trabalham para um serviço de ônibus gratuito e exclusivo para o sexo feminino. O Pink Shuttle ajuda as mulheres a enfrentar os desafios de deslocamento na cidade mais populosa do país.

De acordo com o departamento de trânsito, o número de mulheres motoristas na capital tem crescido nos últimos anos. Duzentas e setenta e cinco licenças já estão aprovadas para o primeiro semestre do ano que vem.

Entre 2012 e 2016, mais de mil mulheres conseguiram autorização para dirigir em Cabul, de acordo com a ONG Nove Onlus, responsável pelo projeto.

O Pink Shuttle, que recebe apoio da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional, deve ser estendido nos próximos anos. Ainda de acordo com o chefe de polícia da cidade, não há restrições para as mulheres se tornarem motoristas.

No entanto, essa realidade pode mudar se o Talibã voltar o poder. Uma esperança é a conclusão das negociações de paz entre a milícia e o governo americano.

Na última semana, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, fez uma visita surpresa ao Afeganistão e anunciou a retomada das conversas – que haviam sido suspensas em setembro.

*Com informações da repórter Letícia Santini