Na reta final de inquérito, paradeiro de celular de Najila ainda intriga polícia

  • Por Jovem Pan
  • 29/06/2019 09h34
Reprodução/SBTModelo teria comprado novo celular para tentar recuperar imagens na nuvem

Nesta sexta-feira (28), a Polícia Civil ouviu mais uma testemunha no inquérito que investiga supostos crimes de estupro e agressão do jogador Neymar contra a modelo Najila Trindade.

Por quase duas horas, a advogada Yasmin Abdalla prestou depoimento na 6ª Delegacia de Defesa da Mulher. Ela foi a segunda advogada de Najila, no entanto, não assumiu oficialmente o caso.

O testemunho dela seria importante para esclarecer onde estaria o celular com as imagens do segundo encontro entre a modelo e o jogador.

Ao sair da delegacia, a advogada falou com a imprensa, mas não deu detalhes do depoimento. “Eu sou uma advogada ética, esse caso está sob sigilo e eu me pronunciarei oportunamente”, declarou sucintamente.

Com o depoimento da advogada Yasmin Abdalla, a polícia está perto de encerrar a fase de investigação. Em tese, ela seria a última pessoa a ser ouvida, mas a decisão é da delegada responsável pelo caso Juliana Bussacos.

Um outro ponto importante da investigação é que a perícia do celular entregue por Najila Trindade ainda não foi concluída. No segundo depoimento da modelo, ela entregou à Polícia Civil um aparelho que conteria um backup do celular que sumiu.

As conversar com Neymar e o vídeo do segundo encontro da modelo com o jogador estariam no telefone original. Segundo a promotora Flávia Merlini, de Enfrentamento à Violência Doméstica, o celular está sendo periciado pelo Instituto de Criminalística.

“Não é o mesmo aparelho, pois a vítima alega que não sabe onde está, mas ela comprou um aparelho da mesma marca pra tentar buscar a memória na nuvem”, disse Merlini.

De acordo com a promotora, as imagens do hotel onde Neymar teria se encontrado com a modelo Najila em Paris ainda não foram anexadas ao inquérito.

Ainda nesta sexta-feira, compareceu à delegacia a advogada Maíra Fernandes, que defende o jogador Neymar. Para a defesa, a expectativa é de que até segunda-feira (1º) a Polícia Civil apresente o parecer indicando se ele será ou não indiciado.

O prazo para encerramento das investigações termina no domingo e, como não é dia útil, a delegada Juliana Bussacos tem até segunda-feira para entregar o relatório. No entanto, esse prazo pode ser prorrogado, caso os trabalhos da investigação não sejam finalizados.

*Com informações da repórter Natacha Mazzaro