“Não faz sentido Estado ser gestor de empresas”, defende João Amoêdo

  • Por Jovem Pan
  • 12/06/2018 11h10 - Atualizado em 12/06/2018 11h27
Bruno Lima/Jovem PanAmoêdo ressaltou que não privatizar empresas é deixá-las para serem administradas por políticos

Ligado ao sistema financeiro, João Amoêdo, aposta do Novo para a corrida presidencial em 2018, colocou as privatizações como pontos a serem defendidos caso seja eleito.

Em entrevista exclusiva ao Jornal da Manhã, Amoêdo foi claro ao destacar que “não faz sentido o Estado ser gestor de empresas. [Hoje] as empresas são estratégicas para os políticos, e não para os cidadãos. Privatização não é fim, é meio”.

O novo nome da política, e que pretende quebrar o que se tem hoje na política tradicional, ressaltou que não privatizar empresas é deixá-las para serem administradas por políticos, e que o monopólio público é algo muito ruim.

Citando pesquisa feita pela USP, João Amoêdo reiterou que as concessões privadas “funcionam melhor que a pública”, mas que setores como segurança pública, saúde e educação devem permanecer sob o guarda-chuva do Estado. “Mas administrar entrega de correspondência, posto de gasolina, não tem que ficar na mão do Estado”, disse.

Greve dos caminhoneiros

A greve, que durou dez dias, poderia ter tido uma resolução mais simples, na visão do nome do Novo: acabar com o monopólio do refino.

“Se não tivesse [o monopólio], a solução dos caminhoneiros teria sido mais simples e não teria colocado o governo no corner. A greve começou por conta de subsídio dado lá atrás para venda de caminhão, a gente sempre vai nas soluções de curto prazo e planta condições para próxima crise”, explicou.

Sobre a estratégia do Governo, Amoêdo avaliou que houve um erro. “Defendo que a gente não deveria ter reajuste diário. Petrobras poderia espaçar mais. A carga tributária tem que mexer nos custos do Governo, para poder reduzi-la”.

Confira a entrevista completa com o pré-candidato do Novo à Presidência, João Amoêdo: