Netanyahu quer enfrentar pessoalmente testemunhas que o acusam em casos de corrupção

  • Por Jovem Pan
  • 08/01/2019 07h04 - Atualizado em 08/01/2019 08h26
EFEO líder israelense afirmou em sua fala que está disposto a enfrentá-las na televisão, ao vivo, para o público ouvir a verdade completa

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, quer confrontar pessoalmente as testemunhas que o acusam em casos de corrupção. Antes da transmissão endereçada à nação, seus assessores anunciaram que ele faria uma “declaração dramática”, sem adiantar do que se tratava.

Pessoas próximas ao governo, confirmaram à imprensa que ele abordaria a questão das denúncias. O líder israelense afirmou em sua fala que está disposto a enfrentá-las na televisão, ao vivo, para o público ouvir a verdade completa.

Em meados de dezembro, o procurador-geral do país recebeu informações sobre três investigações por corrupção contra Netanyahu.

Durante sua estada no Brasil para a posse do presidente Jair Bolsonaro, o primeiro-ministro indicou que não se demitirá “caso seja convocado para uma audiência na justiça antes das eleições”. Legalmente, nada obriga Netanyahu a deixar o cargo caso seja indiciado. Ele decidiu convocar eleições antecipadas para 09 de abril a fim de evitar ser denunciado por corrupção, e as pesquisas apontam que poderá permanecer no comando do país.

Netanyahu, que lidera o partido de direita Likud e ocupa atualmente seu quarto mandato como premiê, é acusado de troca de favores, beneficiando empresas e recebendo benefícios. Além disto, ele e sua família são investigados de terem ganhado presentes entre 2007 e 2016, sendo que, pelo menos, um deles superou a marca equivalente a R$ 1 milhão. Entre as lembranças estão joias caríssimas, champagne e charutos cubanos.

A polícia assegura ainda que encontrou evidências suficientes nesse caso para acusar o premiê de crimes de suborno, fraude e quebra de confiança.

*Informações do repórter Daniel Lian