Nos 75 anos de Auschwitz, sobrevivente comemora vitória contra o nazismo: ‘Eu to vivinho’

  • Por Jovem Pan
  • 27/01/2020 09h07 - Atualizado em 27/01/2020 09h26
EFEA estimativa é de que mais de 6 milhões de judeus foram mortos durante a Segunda Guerra Mundial sob as ordens do líder nazista Adolf Hitler

A pele preserva a marca que a mente tenta apagar. Aos 97 anos, a memória de Kiwa Kozuchowicz falha, mas a tatuagem não o deixa esquecer.

Depois de passar por três campos de concentração, Kiwa foi levado a Auschwitz em 1944. Lá perdeu o nome. Ele passou a ser o prisioneiro B513, número inscrito no braço esquerdo. “Fomos escolhidos uma parte para viver e outra para morrer. Mas a maior parte era para morrer.”

Foi num 27 de janeiro como está segunda-feira, há 75 anos, que o terror de Auschwitz-Birkenau, na Polônia, chegava ao fim. A data marca o Dia Internacional da Lembrança do Holocausto.

A estimativa é de que mais de 6 milhões de judeus foram mortos durante a Segunda Guerra Mundial sob as ordens do líder nazista Adolf Hitler. Mais de 1,1 milhão somente no campo polonês.

Em 1942, Joshua Strul, de 86 anos, foi levado, ainda menino, a uma estação de trem na Romênia para embarcar para Auschwitz. “Guardas da Gestapo, armados até os dentes com subetralahadores, cercando toda a estação com cães rosnando e latinod. Mulheres com filhos no colo gritando de frio e fome.”

Uma nevasca e o frio cortante adiaram o embarque para o dia seguinte, mas nunca ocorreu. Vivendo num gueto na cidade romena de Bacão, Joshua percebeu cedo que o antissemitismo havia sido incorporado pela sociedade da época.

“Me cercaram, dois garotos mais velhos do que eu. Vendo que eu tava portando a estrela amarela, simbolo do judaísmo, me bateram e me chamaram de assassino de Jesus Cristo.”

Para o presidente da Associação dos Sobreviventes Vivos do Holocausto no Brasil, Tomas Venetianer, o ódio ao povo judeu tem aumentado nos últimos anos.
Ele afirma que uma das piores faces do antissemitismo hoje é o movimento que nega a existência do holocausto.

“Alguém vir e de repente dizer que inventamos isso para ganhar dinheiro, isso machuca muito. Cada vez são menos sobreviventes que podem dizer. Podem falar o que quiser, mas eu estive lá. Eu sofri, eu passei fome, eu vi cadáveres na rua.”

Para Tomas, a missão da comunidade judaica é não deixar que a verdade sobre o holocausto se perca, mesmo que provas vivas da história como ele não estejam mais entre nós.

O professor de História Contemporânea da Universidade de São Paulo, Alexandre Hecker, ressalta que a existência do holocausto é incontestável. “Há milhares de evidências que ocorreu esse genocídio, apesar de que existam historiadores que querem negar.”

Andor Stern escapou de Auschwitz aos 13 anos. Hoje, aos 91, volta à cidade do campo de concentração para prestigiar as celebrações pelo Dia Internacional da Lembrança do Holocausto.

Depois de tantos anos, Seo Andor lida com a situação com leveza e debocha de todo o mal que viu e viveu ali. “O Hitler se fu, eu to aqui vivinho da Silva. Um abraço.”

*Com informações do repórter Renan Porto