Novas chacinas deixam sete mortos em Fortaleza

  • Por Jovem Pan
  • 10/03/2018 10h15
Reprodução/G1Praça frequentada por universitários estava cheia quando tiros foram dados, deixando quatro mortes

Em chacina que envolveu três ataques simultâneos no bairro de Benfica, em Fortaleza (CE), sete pessoas foram mortas e outras sete ficaram feridas entre a noite desta sexta-feira (9) e madrugada deste sábado (10).

Há 40 dias, uma grande chacina deixou 14 mortos e 18 feridos em um ataque a uma casa de shows em apresentação de grupo de forró, na divisa entre os bairros de Cajazeiras e Benfica. Naquela madrugada, outros 11 homicídios ocorreram também pela disputa do tráfico. A capital do Ceará sofre com confronto das facções PCC, Comando Vermelho e Guardiões do Estado (GDE) pelo comando do tráfico de drogas.

Na noite desta sexta, os criminosos mataram três pessoas próximo à sede da Torcida Uniformizada do Fortaleza (TUF). Pedro Braga Barroso Neto, de 22 anos, levava bebidas ao local e foi morto na rua. Outra pessoa que estava com ele foi levada ao hospital, mas não resistiu. A terceira vítima foi assassinada já na sede da torcida.

Enquanto isso, perto dali, ainda no bairro Benfica, dois carros pararam e começaram a atirar contra um bar, deixando quatro mortos na praça Gentilândia, centro de Fortaleza, frequentada por universitários de faculdade próxima. O local estava cheio no momento do crime.

Testemunhas contam que pelo menos três homens participaram da chacina.

Os disparos começaram por volta das 23h30.

Quando ocorreram os primeiros grandes ataques no final de janeiro, o governador do Ceará Camilo Santana (PT) disse que criaria uma força-tarefa para evitar sua repetição.

Mulheres decapitadas

O Corpo de Bombeiros localizou, nesta sexta-feira, 9, os corpos das três mulheres que foram torturadas, mortas e decapitadas em Fortaleza, no Ceará. Por volta das 8 horas, a equipe de mergulhadores e de busca encontrou os corpos das jovens identificadas como Nara Alyne Mota de Lima, Darciele Anselmo de Alencar e Ingrid Teixeira Pereira. Os cadáveres estavam na área do mangue próximo ao Liceu da Vila Velha, na zona oeste de Fortaleza.

O crime, que ocorreu há uma semana, no dia 2, foi filmado pelos próprios executores e postado nas redes sociais. As buscas já duravam cinco dias.

As três mulheres foram sequestradas na noite do dia 1º e levadas para o mangue do Rio Ceará, localizado entre os bairros Vila Velha e Barra do Ceará, local onde teriam sido torturadas pelos assassinos.

No vídeo, uma delas, sob ameaça, diz que “rasgou a camisa” da facção Comando Vermelho (CV) e passou para o lado da facção Guardiões do Estado (GDE). Familiares das vítimas negaram, em depoimento, qualquer envolvimento dela com o crime organizado.

Mesmo implorando para que poupassem a sua vida, a jovem é executada com um tiro no rosto. Em seguida, um dos assassinos corta a cabeça dela com um facão. Na mesma cena, outro bandido mostra as três cabeças já decapitadas e joga nas águas do mangue, comemorando as mortes.