Número de britânicos que buscam dupla cidadania cresce em consequência do Brexit

  • Por Ulisses Neto/Jovem Pan
  • 29/09/2017 09h46 - Atualizado em 29/09/2017 09h47
EFEO levantamento mostra que a Irlanda é de longe o país que mais recebeu pedidos de cidadania por parte dos britânicos desde o referendo

Algo que sempre foi muito comum para os brasileiros, que é buscar um passaporte europeu para quem tem parentes que nasceram na Europa, sobretudo na Itália e em Portugal, agora virou febre também entre os britânicos, quem diria.

Um levantamento da BBC mostra que houve um crescimento impressionante no número de britânicos que estão buscando a dupla cidadania no último ano, evidentemente como consequência do Brexit.

Ainda não está claro como vão ficar as vidas dos imigrantes após o divórcio europeu, pode ser até que nada mude nos próximos anos, mas mesmo assim os cidadãos do Reino Unido preferiram se precaver, quem tem condições disso, é claro, para não perder o direito de morar em qualquer um dos outros 27 Estados da União Europeia.

Esse levantamento mostra que a Irlanda é de longe o país que mais recebeu pedidos de cidadania por parte dos britânicos desde o referendo.

Para se ter uma ideia do crescimento, um ano antes da votação foram mais de 25 mil pedidos apresentados pelos súditos da rainha Elizabeth Segunda. Um ano depois esse número subir para 65 mil, quase três vezes mais.

Todos os países consultados pela BBC mostraram crescimento de pelo menos o dobro nos pedidos dos britânicos.

O inverso também está acontecendo. Os europeus que moram na Inglaterra também estão pedindo passaporte britânico em grandes números para não correrem o risco de perder o direito de residir no país, principalmente poloneses, italianos e romenos.

Na semana passada, o ator Colin Firth, estrela da série Orgulho e Preconceito, baseada no clássico de Jane Austen, e também do filme O Discurso do Rei, anunciou que agora também tem o passaporte italiano.

Colin Firth é casado com uma italiana e sempre critica o Brexit dizendo que ele é um desastre de proporções inesperadas, sem nenhum aspecto positivo.

O ator afirmou ainda que se considera britânico para sempre, mas que diante das incertezas foi melhor tirar a dupla cidadania só por precaução.