Número de vagas de trabalho temporárias cresce 25% no primeiro trimestre de 2021

Advogado alerta que a mão de obra serve para substituir trabalhadores afastados, mas não pode preencher vagas de funcionários demitidos ou que precisem de demandas contínuas e permanentes

  • Por Jovem Pan
  • 21/03/2021 12h03
PixabaySegundo a Associação Brasileira do Trabalho Temporário, as contratações desse tipo explodiram durante a pandemia

As vagas de emprego temporárias têm sido a solução para muita gente que ficou desempregada. Segundo a Associação Brasileira do Trabalho Temporário, as contratações desse tipo explodiram durante a pandemia: foram mais de dois milhões só no ano passado. No primeiro trimestre de 2021, o cenário é ainda mais amplo: a projeção é de aumento de 25% nas vagas temporárias. O analista de marketing Diego Alves de Assis encontrou uma dessas oportunidades em fevereiro. “Estava desempregado há uns seis meses mais ou menos, um período bem difícil, eu estava buscando, buscando, e a concorrência estava enorme. Quando ‘pintou’ esse temporário de 15 dias eu nem pensei duas vezes, falei: ‘Vamos nessa'”, contou. Quinze dias depois de ter sido contratado como temporário, Diego foi efetivado.

Apesar do caso de sucesso, o advogado Antônio Carlos Morad alerta que a mão de obra temporária serve para substituir trabalhadores afastados, mas não pode preencher vagas de funcionários demitidos ou que precisem de demandas contínuas e permanentes. “Ele tem um alcance de tempo de 180 dias, podendo até se alongar mediante recontratação por mais 90 dias. Agora não passa disso, e aliás nem pode passar disso, está na lei, pode até gerar Ministério Público do Trabalho quem descumprir essas medidas e fazer uso disso de uma forma irregular.” De acordo com estimativas da Associação Brasileira do Trabalho Temporário, a taxa média de efetivação de temporários de 22%, alcançada no final de 2020, deve se manter neste 1º trimestre de 2021.

* Com informações da repórter Beatriz Manfredini