Odebrecht tem 60 dias para apresentar plano de recuperação judicial

  • Por Jovem Pan
  • 19/06/2019 06h20 - Atualizado em 19/06/2019 06h24
EFE / SEBASTIÃO MOREIRAA medida é uma forma de evitar a falência imediata do conglomerado, que tem uma dívida que passe R$ 83 bilhões

Na segunda-feira (17), a Justiça de São Paulo aceitou o pedido de recuperação judicial da Odebrecht. O valor do pedido passa de R$ 83 bilhões. A empreiteira terá um prazo de 60 dias para apresentar um plano de reestruturação para as companhias endividadas.

A medida é uma forma de evitar a falência imediata do conglomerado, já que impede momentaneamente a cobrança das dívidas, que ficam congeladas por 180 dias.

Dessa forma, as empresas do grupo continuam operando enquanto renegociam com os credores sob o intermédio da Justiça.

O professor de direito da Fundação Getulio Vargas, Jorge Boucinhas, explica que todas as atividades da holding estarão sob o supervisão de um administrador judicial.

“A grande consequência disso para a Odebrecht é de que ela passa a ter muitas restituições na gestão de seus recursos, de seu próprio patrimônio. Ela não pode, por exemplo, fazer grandes investimentos sem seguir a risca o que está previsto no plano de recuperação judicial”.

A partir de agora, a Odebrecht vai ter que apresentar um plano de recuperação, que vai ser colocado em prática após aprovação dos credores e do juiz responsável. O pedido abrange 21 companhias do grupo.

Os maiores credores da Odebrecht são BNDES, Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Bradesco, Itaú e Santander.

Desde que foi alvo da operação Lava Jato, o grupo Odebrechet sofreu uma queda significativa nas receitas, também resultado da recessão vivida no país. Cinco anos atrás, a holding chegou a ter mais de 180 mil empregados, hoje tem 48 mil.

*Com informações da repórter Victoria Abel