Onda de calor atinge o Reino Unido e a Europa

  • Por Ulisses Neto/Jovem Pan
  • 24/07/2018 11h50
EFE / LUCA ZENNARO Homem se refresca em fonte da praça De Ferrari, em Gênova, Itália, nesta terça-feira (24)

Aqui em Londres, outro dia espetacular de sol e calor.

Termômetros marcando 25 graus agora em Westminster, mas a temperatura está subindo.

Ontem, aliás, foi o dia mais quente do ano na Inglaterra – o país chegou a registrar 33,3 graus de temperatura.

Até a cara de Londres está diferente. Não apenas pela falta de compostura dos britânicos, que não estão habituados com esse calorão, e vão trabalhar bastante à vontade mesmo, de havaina e bermuda, por exemplo, mas até pelos gramados, que são onipresentes na capital britânica e estão completamente queimados pelo sol.

Meu jardim está parecendo o que era o gramado do Allianz Parque até pouco tempo atrás.

Esse já é um dos 10 verões mais quentes de todos os tempos no Reino Unido e o governo decretou um alerta de onda de calor pedindo para que as pessoas evitem o sol.

Diversas partes do país estão sem chuvas há 54 dias.

Mas quem está sofrendo de verdade com o tempo seco e o calor acima do comum são os gregos.

Cerca de 60 pessoas morreram nas queimadas que atingem a região de Attica, nos arredores da capital Atenas. Muitas crianças estão entre as vítimas, de acordo com as autoridades locais.

O governo grego está pedindo ajuda internacional para combater as chamas que estão destruindo alguns balneários.

Em Mati, vítimas relatam que a única forma de se proteger das chamas é mergulhando no mar.

Itália, Alemanha, Polônia e França enviaram bombeiros, helicópteros e equipamentos para ajudar a controlar as chamas.