Oposição pede que PGR investigue Temer por liberação de emendas parlamentares

  • Por Jovem Pan
  • 18/07/2017 06h08 - Atualizado em 18/07/2017 10h39
"O orçamento público passou a ser um instrumento de barganha e leilão político", disse Randolfe Rodrigues

Parlamentares da Rede e do PSOL entregaram à Procuradoria-Geral da República uma representação contra o presidente Michel Temer. O documento aponta um aumento significativo da liberação de emendas para deputados da base governista dias antes da votação da denúncia contra o peemedebista na CCJ da Câmara.

De acordo com dados do portal Siga Brasil, R$ 288 milhões foram pagos a deputados que votaram contra a denúncia. Os parlamentares que votaram contra o presidente receberam R$ 124 milhões em emendas.

A oposição pede que a PGR investigue o suposto caso de obstrução a Justiça por parte de Michel Temer, como conta o senador Randolfe Rodrigues: “o orçamento público manipulado para beneficiar o senhor presidente da República. O orçamento público passou a ser um instrumento de barganha e leilão político. Claramente ofendendo os princípios elementares da moralidade, portanto, incorrendo no crime de improbidade administrativa e sendo utilizado o orçamento impositivo como instrumento de obstrução à Justiça”.

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, afirmou nesta segunda-feira (17), Washington, nos Estados Unidos, que não vê obstrução a Justiça com as trocas de membros na CCJ da Câmara: “parto do pressuposto que isso faz parte do jogo político”.

Tudo indica que a próxima denúncia do PRG, Rodrigo Janot, contra Michel Temer, será exatamente por obstrução a Justiça. Mas o pedido não terá ligação com a representação apresentada pelos partidos de oposição. Ela será baseada na delação da JBS.

*Informações do repórter Arthur Scotti