Ousadia de ladrões de celulares impressiona até a polícia em São Paulo

Segundo o delegado Mário Palumbo, é necessário que haja um endurecimento na legislação para combater o crescimento no número de crimes

  • Por Jovem Pan
  • 19/04/2022 13h36 - Atualizado em 29/04/2022 12h49
BRUNO ESCOLASTICO/PHOTOPRESS/ESTADÃO CONTEÚDO Movimento de pedestres na Avenida Paulista, na região central de São Paulo Segundo a SSP-SP, 90% das vítimas de roubos e furtos no centro de São Paulo são pedestres

Está cada vez mais difícil andar com o celular na mão na cidade de São Paulo. A ousadia dos bandidos assusta os moradores da capital paulista. Nos quatro cantos do município, os ladrões estão sempre à espera de um ‘vacilo’ para atacar. Dados revelam que entre janeiro e fevereiro de 2021, foram roubados 14.689 celulares em São Paulo. No mesmo período este ano foram 16.291, um aumento de 10,9%. Segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP) do Estado, 48% dos assaltos acontecem durante o dia e 90% das vítimas são pedestres.

A alta nos números de assaltos em São Paulo são um absurdo para o vereador delegado Mário Palumbo (MDB), que critica a legislação brasileira. “Eles sabem que não vão ficar presos. Vão para a audiência de custódia e saem no outro dia, após 24 horas. 70% dos criminosos brasileiros são reincidentes, ou seja, de cada 10 presos, 7 voltam a cometer o mesmo delito. Então, na cabeça desse criminoso, compensa o crime. Se eles pegaram um celular, furtaram um celular, eles vão sair na audiência de custódia. Aqui em São Paulo, ninguém se sente seguro para atender o telefone na área central ou, por exemplo, na Avenida Paulista. O risco de assalto é enorme. Isso por culpa de uma legislação fraca e pela falta de policiamento. Não por culpa dos policiais, mas porque, infelizmente, faltam policiais militares e civis”, comenta Palumbo.

A equipe de reportagem da Jovem Pan teve acesso, com exclusividade, às imagens de duas ações criminosas. A primeira delas, na região da Saúde, na zona sul da cidade. A vítima para na frente de um prédio e aperta o interfone. Logo em seguida, um bandido, de bicicleta e armado, chega por trás e já exige o celular. Ele também leva a bolsa da mulher e foge. O segundo flagrante ocorreu na Vila Mariana. Um pedestre em um ponto de ônibus é rendido por um assaltante de moto e também armado. O jovem resiste a entregar os pertences. Em seguida, o bandido chega a atirar para o alto e o jovem entrega o celular.

Quem já foi vítima, como Júlio Vilela, sabe que, hoje em dia, não dá para facilitar nas ruas. “A estratégia que você tem é ficar de olho aberto. Meu celular não fica na minha mão, eu não ando com ele na rua, falando. Se precisa falar, eu entro em algum lugar. Uma cafeteria, um restaurante, uma loja. A dica que eu dou é: não ostenta. Você vê as pessoas andando aqui, elas são uns zumbis, ficam olhando no celular, se você pega, tira da mão delas, ela nem veem quem foi”, comenta. Já Antônio Marques, que veio a São Paulo da Bahia, já foi avisado dos riscos: “Eu moro em Salvador, mas eu já ouvi falar e mandaram eu tomar cuidado. Dizem que estão puxando, atacando mesmo, derrubando a pessoa. Foi o que eu ouvi falar”.

*Com informações do repórter Vinícius Rangel