Ozonioterapia passa a ser tratada como prática experimental

  • Por Jovem Pan
  • 10/07/2018 06h56
ReproduçãoO conselho analisou quase 27 mil trabalhos acadêmicos feitos ao redor do mundo e não conseguiu comprovar a efetividade do método

A resolução que define a ozonioterapia como procedimento de caráter experimental foi aprovada pelo Conselho Federal de Medicina e já vale para todo o País.

Alguns médicos acreditam que a molécula do ozônio tem propridades bactericidas e pode ser aliada no tratamento de úlceras e outras doenças que dependem da cicatrização eficiente.

O conselho analisou quase 27 mil trabalhos acadêmicos feitos ao redor do mundo e não conseguiu comprovar a efetividade do método. Apesar disso, a prática ainda pode ser realizada de forma experimental.

O relator da resolução, Leonardo Sérvio, explica a razão para o CFM decidiu permitir a utilização da ozonioterapia como tratamento experimental: “se ficar provado que essa prática apresenta benefícios com riscos diminuídos ou zerados, aí sim a população pode ter algum benefício, mas não é o que acontece”.

Com a resolução, os tratamentos com ozonioterapia só podem ser realizados sob critérios definidos pela Comissão Nacional de Ética em Pesquisa.

Entre os requisitos, o participante deve estar de acordo com as condições da pesquisa e deve ser garantido o sigilo dos pacientes. Também fica proibida a cobrança do tratamento em qualquer etapa.

*Informações da repórter Nanny Cox