Pandemia do coronavírus agrava crise social em países pobres

  • Por Jovem Pan
  • 02/04/2020 08h21 - Atualizado em 02/04/2020 08h31
Carlos Lemos/EFEAs autoridades da Angola lutam para manter os cidadãos em casa, que saem da quarentena para ter acesso a suplementos básicos

As tensões sociais em função do isolamento forçado, em decorrência ao coronavírus, estão se acentuando no mundo todo.

As autoridades da Angola lutam para manter os cidadãos em casa, que saem da quarentena para ter acesso a suplementos básicos.

O Estado de Emergência de 15 dias decretado pelo governo na sexta-feira (27) agrava o quadro de pobreza da população. Os angolanos, sem acesso à água potável, circulam pelas ruas em busca de poços improvisados.

Outra preocupação é a falta de trabalho. Sem proteção contra o vírus, milhares se acumulam em filas em busca de uma vaga.

Paulina é viúva e diz que não aguenta esperar dentro de casa enquanto os filhos passam necessidade.

“Mandei um carro pra me trazer água, suas semanas que o carro não vem. Nesse momento, estou sem nada em casa e o nosso salário não caiu.”

O motorista Domingos João até gostaria de ficar em casa, mas o medo de ficar sem trabalho é maior. “A doença é perigosa, todo mundo está vendo e tem o conhecimento disso. Mas dentro de casa ninguém consegue fazer nada.”

A situação em Angola e em outros países pobres e sem recursos para combater a pandemia preocupa a Organização Mundial da Saúde.

O diretor geral da entidade, Tedros Adhanon, disse nesta quarta-feira (1º) que o avanço do coronavírus na África e América do Sul, principalmente, pode ter sérias consequências sociais, políticas e econômicas.

O diretor da OMS faz apelo aos governos desses países que mantenham as ações de enfrentamento ao vírus mesmo com poucos recursos.

*Com informações da repórter Nanny Cox