Papa chega nesta segunda (15) à América do Sul para visitas ao Chile e Peru

  • Por Jovem Pan
  • 15/01/2018 06h59
EPA/ANSA/EFEDurante a visita, o pontífice dará atenção especial a povos indígenas, incluindo os Mapuches, que representam 7% da população chilena

O Papa Francisco inicia nesta segunda-feira (15) uma viagem de seis dias ao Chile e ao Peru. Durante a visita, o pontífice dará atenção especial a povos indígenas, incluindo os Mapuches, que representam 7% da população chilena.

Atualmente, a comunidade Mapuche conta com uma minoria radical, responsável por ataques a igrejas e seminários católicos.

Diante disso, é possível que Francisco se depare com atos de hostilidade no território chileno.

Na semana passada, vândalos atiraram bombas de fabricação caseira contra três igrejas da capital Santiago, reforçando os indícios de que talvez a passagem do pontífice pelo país não seja tão bem recebida por alguns grupos.

Francisco dará ainda um caráter político à viagem, ao se encontrar no Chile com duas vítimas da ditadura de Augusto Pinochet.

A agenda do pontífice ainda poderá incluir no Peru uma reunião com familiares de vítimas de violações dos direitos humanos cometidas durante o governo de Alberto Fujimori, que deixou recentemente a cadeia, após o indulto concedido pelo presidente Pedro Pablo Kuczynski.

A viagem do Papa ao Chile e ao Peru também poderá contribuir para recuperar a imagem da igreja católica, afetada por escândalos recentes de pedofilia nos dois países.

Antes de embarcar com destino à América do Sul, Francisco celebrou nesse domingo no Vaticano uma missa dedicada aos refugiados, realizada durante a jornada mundial dos imigrantes.

Durante a oração do Angelus, ele pediu compaixão aos refugiados: “hoje começa a jornada mundial do imigrante e do refugiado. Decidi reafirmar que a nossa resposta comum para os estrangeiros poderia se articular em torno de quatro verbos com base nos princípios da Igreja: acolher, proteger, promover e integrar”.

Durante sua ida ao Chile, o avião que levará o papa irá sobrevoar a Argentina, país natal do pontífice. Desde que assumiu como papa, ele ainda não voltou à Argentina, temendo que uma eventual visita fosse explorada politicamente.
Apesar disso, é possível que durante o sobrevoo Francisco anuncie uma data para a tão esperada viagem.

*Informações do repórter Marcos Fidalgo