Para Europa, divórcio sem acordo é desfecho mais provável do Brexit

  • Por Ulisses Neto/Jovem Pan
  • 19/09/2019 08h58
EFEAs suspeitas de que o primeiro-ministro Boris Johnson não tem intenção de renegociar nada com os europeus crescem

O governo britânico tem um novo prazo para trabalhar uma eventual negociação com a Europa sobre o Brexit. O bloco quer receber uma proposta por escrito até o final deste mês. Caso contrário, o assunto será dado como encerrado.

O novo ultimato foi dado na última quarta-feira (18) pelo governo da Finlândia, que ocupa a presidência rotativa da União Europeia.

A cada dia cresce a suspeita de que o primeiro-ministro britânico não tem, de fato, a intenção de renegociar nada com os europeus. Boris Johnson estaria apenas gastando tempo para tirar a Grã-Bretanha da União Europeia na marra até 31 de outubro. Uma estratégia válida – claro. Mas os europeus não parecem dispostos a entrar no jogo para a plateia.

O chefe de Downing Street insiste que existem alternativas sendo exploradas e que a negociação com Bruxelas continua. O impasse ainda é a questão da fronteira entre as Irlandas e o risco de escalada na tensão entre os dois lados após a separação.

Apesar do discurso público de Boris Johnson, pouca gente acredita que um entendimento será alcançado nos próximos dias.

Enquanto isso, os britânicos ainda aguardam a decisão da Suprema Corte sobre a suspensão do parlamento. O anúncio é aguardado nos próximos dias e pode acabar sendo um marco determinante nesta confusão toda que o Reino Unido se meteu há três anos.

Se os britânicos já estão fartos do assunto Brexit, a paciência dos europeus também parece ter chegado no limite. O ultimato dado ontem mostra que do lado de lá do Canal da Mancha já há certa resignação de que o divórcio sem acordo é o desfecho mais provável, pra não dizer inevitável.