Para Guedes, reforma tributária não é prioridade após Previdência

  • Por Jovem Pan
  • 11/10/2019 07h09
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência BrasilAlém das mudanças no sistema tributário, Guedes relembrou que o governo também estuda formas de desonerar a folha de pagamento

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta quinta-feira (10) que a reforma tributária não é uma urgência para o Governo. Segundo Guedes, após a aprovação da Previdência, a prioridade é o pacto federativo.

Além das mudanças no sistema tributário, Guedes relembrou que o governo também estuda formas de desonerar a folha de pagamento.

De acordo com o ministro da Economia, a ideia é contribuir com a proposta de reforma tributária que já tramita na Câmara. “Nós temos noção de que essa reforma é importantíssima, mas não podemos por urgência.”

Paulo Guedes afirmou que acordos políticos estão sendo feitos e que o Governo está construindo uma base orgânica no Congresso Nacional. O ministro da Economia disse que a gestão Bolsonaro tem acelerado as reformas e que o Brasil está entrando em “um novo ciclo de crescimento”.

“Num momento em que o mundo sincronizadamente desacelera o crescimento, indo para uma clínica de reabilitação, o Brasil é o contrário. Ele está saindo da clínica e oferece um novo horizonte de pesquisa nas áreas minério, energia, petróleo, gás.”

Guedes também afirmou que uma reforma administrativa deve ser enviada em breve. Segundo ele, o governo estuda, por exemplo, travar reajustes de funcionários públicos em estados, municípios que gastem mais de 80% com folha de pagamento.

*Com informações da repórter Victoria Abel